Páginas

sábado, 18 de setembro de 2010

Cifras de músicas gaúchas

A morte não marca hora, A partida, A vida que véio mandô, A volta do tordilho negro, A.M.M.M, Abraçada com a tristezaAbram cancha pro Rio Grande, Abre o fole tio Bilia, Amor de contrabando, Amor de infância, Amor de verão, Ao som de um gaitaço, Apenas uma florBaile da Mariquinha, Baile de candeeiro, Baile nas Cabritas, Baita macho, Barbaridade, Bate-coxa no Totonho, Bebum, Bem gauchão, Boi Barroso, Bombacha preta, Bugio da fronteira, Burro picaço, Canarinho cantador, Canção do Araguaia, Canta meu povo, Canto alegretense, Canto dos livres, Capão de mato, Céu, sol, sul, Céu, sol sul terra e cor,  Chacoaiando as mondonguêra, Chamamento, Churrasco lá em casa, Cinzeiro amigo, Cobra sucuri, Coração de luto, DesgarradosDoce amargo do amor, Domingueiro, É disso que o velho gosta, É meu, é só meu, Engarupado, Estância do meu pai, Eu quisera, Eu só peço a Deus, Facão três listas, Falso amigo,  Fica comigo, Filha de gente valente, Fim do nosso amor, Gaita e violão, Gaita velha do seu Ary, Gauchinha Bem-Querer, Gaúcho amigo, Gaúcho da Passo Fundo, Grito dos livres, Infância frustrada, Já me cansei, Judiaria, Lendário avô, Limpa banco, Lindo rancho, Majestade no Pampa, Mala de garupa, Menino potro, Mercedita, Meu sistema, Mocinho aventureiro, Morena Rosa, Morocha nãoNa casa do Zé do Guincho, Não vá, Negrinho do pastoreio, O bugioO colono, Olhar feiticeiro, Passo Fundo do coração, Prenda minha, Que droga de vida, Que saudadeQuerência amada, Rastro de bugio, Recordações de Ypacaraí, Relho trançado, Retoço de gaita e pandeiro, Roda de chimarrão, Santa Catarina, Seguindo o vento, Sistema antigo, Só espero ser feliz, Só restou, Tempo de guri, Tertúlia, Tordilho negro, Trem da fronteira, Trem da saudade, Triste madrugada, Tropeiro velho, Última carta, Última ginetiada, Um mundo de amor, Vai, vai no balanço do Tchê, Vai cantador, Vai começar, Vamo rapaziada, Vaneirinha das prendasVanerão da noite inteira, Velho casarão, Veneno da terra, Verde e amarelo, Veterano, Vida de solteiro,Yahoo,

Vida de solteiro

Teixeirinha

Vida de Solteiro
Tom: C7
Intro: F C7 F
                                   
Nascido e criado lá meu Rio Grande 
                                     C7
não tem quem me mande eu sou meu patrão
                                  
Encilho meu pingo quando amanhece 
                                   F
e quando anoitece estou noutro rincão
                                    
Chego numa festa de chapéu tapeado 
                                C7
não sou mal criado trato com respeito
                                  
Eu toco violão e sou bom cantador 
                             F
ser namorador é meu maior defeito
Int.
                                      
Gosto de carreira e de briga de galo 
                              C7
tenho um bom cavalo para condução
                                        
Por onde eu passo eu namoro um pouco
                                  F
mas eu não sou louco prender o coração
                                       
As moças perguntam porque não me caso 
                              C7
eu não me atraso pra dar a resposta
                                   
Eu sou muito novo e se eu me casar 
                              F
irei carregar uma mulher nas costas
Int.
                                        
As velhas implicam por que não me amarro 
                                C7
só ponho no barro algum namoradinho
                                          
Conheço as morenas, das loiras eu entendo
                                 F
 mas não me arrependo de viver sozinho
                                       
Em porta de baile eu arrasto as esporas 
                              C7
briga sem demora logo me aparece
                                 
Puxo meu facão e no meio da sala 
                                 F
eu encho de bala quem não me obedece
Int.
                                     
A vida é tão curta por isso aproveito 
                                  C7
vivo desse jeito até quando eu quiser
                                    
Quero aproveitar a vida de solteiro 
                                   F
gasto meu dinheiro e não quero mulher
                                    
Se eu me casar eu perco a liberdade 
                                  C7
vou sentir saudade das noites de farra
                                          
Mais quando eu cansar de viver na orgia aí, 
                             F
qualquer dia uma moça me agarra

Verde e amarelo

Teixeirinha


Verde e Amarelo
Tom: F
Intro: F C7 F
Sou caboclo amante da minha terra de um ranchinho lá da serra
                    C7
Eu cheguei estou aqui
Sou tão simples como a flor da pitangueira 
mas eu conheço a bandeira
                  F             C7              F
Desta terra brasileira pátria amada onde eu nasci
Bb
Não desfaça da minha simplicidade da vergonha e da hombridade
                        C7
Que eu trouxe da verde mata
       Bb                       F
Sou caboclo, sou a água da cachoeira
                  C7                      F
Sou o sabiá laranjeira sou a lua cor de prata
Int.
Sou caboclo, da bandeira o amarelo 
sou os trigais dourado e belo
                    C7
Sou a soja e o arrozal
Sou o verde da bandeira, o campo, é céu o Brasil é meu troféu
                  F              C7        F
O caboclo sem chapéu cantando o hino nacional
Bb
Sou vinte e duas estrelinha cor da água 
sou um brasileiro sem mágoa
                  C7
A grandeza do universo
       Bb                      F
Sou a haste da bandeira, sou azul
                   C7                    F
Sou o cruzeiro do sul sou a ordem o progresso
Int.
Sou caboclo deste Brasil continente sou a bandeira imponente
                 C7
Amo ela e não é pouco
Se um irmão do meu verso desmerece menos do que eu conhece
                    F         C7           F
A bandeira que enaltece este meu Brasil caboclo
Bb
O bom Jesus nasceu de Maria santa e este caboclo que canta
                   C7
De outra Maria nasceu
         Bb                        F
Outra Maria eu casei e me beija a boca
                  C7                      F
É a mais linda cabocla brasileira que nem eu
Int.
 

Veneno da terra

Teixeirinha


Veneno da Terra
Tom: Ab7
Intro: Db Ab7 Db
                               Ab7
Veio o progresso destruiu as matas 
                              Db
e os passarinhos já foram embora
                            Ab7 
Os que não foram o veneno matou 
                                    Db
ai que tristeza o Rio Grande de outrora
                                 Ab7  
Sei que o progresso é muito importante 
                                 Db
mais muita coisa ele também destrói
                          Ab7    
A natureza silvestre e saudável 
                           Db
não tem mais, o coração me dói
                             Ab7 
Não vejo as águas dos rios e riachos 
                              Db
tão cristalina como antigamente
                           Ab7  
Onde as espécies matavam a sede
                          Db
e a natureza sorria pra gente
                           Gb  
Veneno bravo do progresso louco 
        Ab7             Db
poluiu tudo desgraçadamente
Int.
                           Ab7   
É muito lindo verduras plantadas 
                                Db
ver os trigais, os arrozais também
                         Ab7    
Mais á na base do puro veneno 
                            Db
então me diga que graça isso tem
                               Ab7   
Ganância triste querem plantar tudo 
                           Db
por que não plantam só a metade
                             Ab7   
Preservem as matas e mãe natureza 
                        Db
que dá saúde para humanidade
                               Ab7 
Como é que antes plantavam a colhiam 
                           Db
sem o veneno não havia a fome
                            Ab7     
Por que um inseto combatia o outro 
                           Db
 e não morria envenenado o homem
                               Gb     
Mas gananciosos derrubaram as matas 
       Ab7                 Db
e é só veneno que o povo consome
Int.
                         Ab7   
Quero a volta das verdes matas 
                               Db
quero as espécies do animal nativo
                         Ab7   
Quero os peixes de águas puras 
                            Db
e também quero o progresso vivo
                       Ab7    
Quero retorno dos passarinhos 
                                Db
quero a pureza dos campos e da serras
                             Ab7
Pra não matar o homem do amanhã 
                           Db
não ponham mais veneno na terra
                            Ab7
Quero que morra o cientista burro 
                            Db
e no caixão leve todo o veneno
                               Ab7   
Quero que nasce um cientista humano 
                            Db
com outra química para o terreno
                                 Gb  
Vão se unir as matas e as plantações, 
         Ab7                Db
e amanhecer molhados de sereno
Int.
 

Velho casarão

Velho Casarão (xote) - Teixeirinha

LP 20 Anos de Glória - 1979



Tom: E
Intro: E A B7 E

B7   
Velho casarão já quase tapera 
                                   E
da grande figueira sombreando o telhado
                             B7   
Se ela falasse contava a história 
                                    E
de quem te plantou há um século passado
                                      B7 
Mas como eu sou neto de quem lhe plantou 
                              E
eu conto a história casarão amado
                              A   
Nas suas paredes tem furo de bala 
                               B7
das revoluções que a história fala
    A                               B7   
Serviu de trincheira a varanda e a sala 
                              E
pra seu construtor meu avô afamado
Int.
                              B7 
Ali meu avô os doze filhos criou 
                                E
sou filho que um empunhou a bandeira
                              B7 
Meu avô morreu e ficou o meu pai 
                                  E
mandando na estância pela vida inteira
                                     B7   
Meus tios foram embora pra outra querência 
                                      E
ficou o casarão que foi sempre trincheira
                                     A   
Na frente o meu pai seu chimarrão tomava 
                           B7
comigo no colo ele me embalava
    A                           B7   
Com a minha mãe os dois cantarolavam 
                                 E
para mim dormir na sombra da figueira
Int.
                                    B7   
Lá por trinta e dois houve outra revolta 
                                E
as forças chegaram e foram invadindo
                                   B7 
Meu pai minha mãe abraçados aos fuzis 
                              E
velho casarão outra vez resistindo
                               B7   
Lá do meu berço eu sai engatinhando 
                          E
pra ver e ouvir a bala zunindo
                                 A    
As forças recuaram acabou a desgraça 
                             B7
a figueira grande abafou a fumaça
     A                               B7   
Meu pai demonstrou ter ficado com a raça 
                                E
do meu velho avô que brigava sorrindo
Int.
                              B7   
Casarão querido da grande figueira 
                              E
ali fiquei moço faceiro e pachola
                                   B7  
Meu pai me ensinou a ser bom cantador 
                            E
e o primeiro acorde de uma viola
                                     B7  
Depois veio a morte e levou os meus pais 
                                 E
sai pelo mundo minha fama minha rola
                               A   
Quando ficar velho, velho casarão 
                             B7
volto pra contigo tombar no chão
     A                             B7 
Da grande figueira quero o meu caixão 
                              E
e pra minha alma o céu por esmola
Int.

Infância frustrada

Infância frustrada - Teixeirinha

LP Que Droga de Vida - 1982



Tom: E
Intro: D  A  E7  A

E7       A
O fim do ano está chegando novamente
                                      E7
Me faz lembrar da minha infância tão cruel!
          D                        A
Eu me frustrava, como eu me sentia mal
                               E7
Naquele dia: vinte e cinco do Natal
                                     A
Pobre de mim! Não tinha o bom Papai Noel.
REFRÃO
       E7                           A
Papai Noel, quanta tristeza você me dava
       E7                                 A
Papai Noel, no meu ranchinho você não chegava!
Int.
                           E7         A
Naquele tempo pensei que o bom Papai Noel
                                    E7
Ele viesse pra criançada toda em geral
       D                           A
Acreditava ardorosamente no bom velhinho
                                   E7
Que também vinha poro menino pobrezinho
                                          A
Vem até hoje mais só quem pode ganha o Natal
E7                           A
Papai Noel velhinho esnobe, é comercial
        E7                                  A
Papai Noel por isso os pobres não ganham Natal
E7             A
Papai Noel hoje eu entendo quem é você
                                          E7
É um comerciante que só propaga na televisão...
            D                          A
Não vem do céu, como eu pensava, antigamente
                                  E7
Ainda judias do pobrezinho do inocente
                                       A
Como judiava do coitadinho do meu coração
E7                            A
Papai Noel hoje eu me vejo em cada criança
        E7                          A   E7  A
Papai Noel que continuas na desesperança

Vai cantador

Teixeirinha

Vai Cantador
Tom: D
Intro: A7 D A7 D  
 
D                   A7             D 
Ponteando sua viola lá vai indo o cantador 
                                              A7 
Nos seus versos bem rimados vai cantando a sua dor 
          G                             D 
Sua voz cheia de mágoa sai do peito sofredor 
  A7                                                      D 
Na sua melancolia eu ouvi quando dizia saudades de um grande amor. 
 A7                     
Vai cantador, desabafa tua mágoa, pra onde tu vais eu venho 
                                                      D 
Notes bem que eu também tenho, os meus olhos rasos d'água. 
 
D              A7                 D 
Escuta minha tristeza no ponteio da viola  
                                        A7 
Os acordes doloridos é o pouco que me consola  
          G                                 D 
Pareço um menino triste que ainda não teve escola  
                           A7                             D 
Pareço com o jogador que jogou o próprio amor agora pede esmola. 
                 A7                                                     
Vai cantador, tu vais voltar como eu quem vai atrás  de guarida 
                                        D         
Nos caminhos desta vida saudades nunca morreu. 
 
D                   A7                 D 
Viola quando eu morrer vou te deixar de herança 
                                          A7 
Pra aquela ingrata mulher uma dia terá lembrança 
  G                                       D 
De chegar na campa fria nem que seja por vingança 
 A7                                                       D 
Depositar uma flor para o triste cantador que eternamente descansa 
    A7                                       
Vai cantador que de volta estou chegando não há consolo alem 
                                               D 
Irás aonde eu fui também, também voltarás chorando.

Um mundo de amor

Teixeirinha

Um Mundo de Amor
Tom: Dm
Intro: Dm A7 Dm
Que bom se eu pudesse um dia 
                               A7
levar alegria pra quem tem tristeza
                                  
Que se eu fosse mais que os nobres 
                                    Dm
pra levar aos pobres o pão sobre a mesa
                                           D7           Gm
Quem bom seu pudesse sair fazer o surdo ouvir e mudo falar
                         Dm                          A7
Que bom se eu pudesse fazer o paralítico andar e correr
                                  Dm
E o bom ceguinho eu fizesse enxergar
C
(Eu não queria ser cristo senhor
             Bb                 A7
Nem eu o cantor que vive de canções
           Gm              Dm
Eu simplesmente só queria ser
                                   A7
Um homem qualquer que tivesse o poder
     Bb      A7               Dm
Pra dar alegria a tantos corações)
Int.
                                        
Que bom se eu pudesse agora para as mães 
                               A7
que choram buscar seu filho amado
                               
Que bom se eu pudesse acalmar 
                                Dm
a viúva a chorar, o esposo sepultado
                                     
Que bom se eu pudesse a amante curar
                    D7       Gm
num instante seu coração da dor
                             Dm
Se eu pudesse os enfermos curar 
                        A7
e as guerras pudesse acabar
                               Dm
E fazer do mundo um mundo de amor
( )Int.
                                
Que bom se eu pudesse ao ladrão 
                                     A7
lhe tornar cidadão de roubar ele deixasse
                                           
Que bom se eu tornasse o bandido num bom pai, 
                                  Dm
bom marido da prisão eu lhe soltasse
                                               D7         Gm
Que bom se ao ébrio eu pudesse e ele viesse do álcool deixar
                                   Dm  
Que bom que seria e que prazer profundo 
                               A7
se eu pudesse dar paz a este mundo
                              Dm
Para todos crescer, viver e amar
( )Int.
 

Última ginetiada

Teixeirinha

Última Ginetiada
Tom: C#7
Intro: F# C#7 F#
C#7 
Eu encilhei o meu cavalo e levei outro 
                                  F# 
fui convidado pra uma linda ginetiada
        B        Cº           F#   
Sai do rancho virava de meia noite 
          C#7                     F#
a estrela Dalva repontava a madrugada
                                 C#7   
Cheguei na festa o dia vinha clareando 
                                 F#
chegava o povo de carreta e a cavalo
         B              Cº          F#     
As oito horas tinha um concurso de rédeas, 
         C#7                      F#
as dez e meia outro concurso de pealo   Bis
Int.
                                    C#7   
Levei um zaino e um tordilho bom de rédeas 
                                    F#
com dois cavalos e com sobra de recursos
           B          Cº           F#   
Passei do zaino os arreios pra tordilho, 
         C#7                    F#
já levantei com o primeiro concurso
                                 C#7  
As dez e meia outro concurso de pealo 
                                 F#
passei pro zaino os arreios novamente
            B          Cº            F#   
Soltaram o potro, meu laço estava armado, 
         C#7                       F#
botei certinho nas duas patas da frente   Bis
Int.
                                 C#7   
Ao meio dia o churrasco foi um colosso 
                                 F#
cantei um xote pra saudar a gauchada
         B          Cº          F#  
No entrevero vi tanta prenda bonita, 
         C#7                     F#
no meio delas minha antiga namorada
                                 C#7    
E a meia tarde uma sanfona só chorava, 
                                F#
deu um fandango e eu já me misturei
        B          Cº         F#   
O sanfoneiro era o Adelar Bertussi, 
             C#7                       F#
por ser dos bons tirei a prenda e dancei    Bis
Int.
                                C#7  
Entrou a noite o fandango se animou, 
                              F#
como foi lindo aquele divertimento
           B        Cº          F#  
A minha antiga namorada estava bela 
           C#7                     F#
chamou seu pai e já marquei o casamento
                                C#7 
Passei por lá uma semana e me casei 
                                F#
genro fiquei do seu Antônio Maximino 
         B         Cº          F# 
Me despedi da gauchada e retornei 
          C#7                     F#
eu vim no zaino e ela veio no tordilho   Bis
Int.
 

Última carta

Teixeirinha

Última Carta
Tom: D
Intro: D  A7  D  A7  D
D
Eu recebi uma carta
                     A7
De um amor que já gostei
Saudades mandou lembranças
                D
Por isto já esperei
Mas agora é muito tarde
                      A7
Tuas cartas eu já queimei
                   Em
E o teu retrato morena
         A7       D
Por desaforo rasguei
Quantas noites sem dormir
                 A7
Por tua causa passei
Perdi momentos preciosos
                     D
Nas vezes que te visitei
         
Quantos versos de autoria
                 A7
Pra você eu dediquei
                    Em
Não respondo a sua carta
         A7      D
De ser traído cansei
O prazer que ainda me resta
                      A7
Que de tudo eu me vinguei
O amor que deste a outro
                   D
Eu primeiro que gostei
Os lábios que outro beija
                   A7
Eu primeiro que beijei
                   Em
Eu não estou me gabando
      A7          D
Teu nome não declarei
Na firma do nosso amor
                    A7
Um erro grande eu achei
Botaste um sócio honorário
                   D
Por isto eu me retirei
Resposta da tua carta
                      A7
É estes versos que cantei
                Em
Sociedade com outro
     A7          D
No amor nunca gostei

Tropeiro velho

Tropeiro velho (xote) - Teixeirinha



Tom: E7
Intro: A E7 A

E7   
Tropeiro velho de tanta tristeza 
                             A
esconde o rosto na aba do chapéu
                              E7  
Olha os cravados no fogo do chão 
                           A
olha a fumaça subindo pro céu
                                   E7    
Quebra de um tapa o seu chapéu na testa 
                            A
esqueça os teus oitenta janeiros
                             E7  
Repare os campos lá vem a boiada 
                          A
ela estrada gritando tropeiro
          A7                  D       
Tropeiro velho não levanta os olhos 
                                 A
não tem mais força é o peso da idade
                        E7   
Acabrunhado à beira do fogo 
                          A
está morrendo de tanta saudade     Bis
Int.
                            E7  
Tropeiro velho sou um moço novo 
                        A
uma proposta te farei agora
                               E7  
Me dá teu pala o relho e o chapéu 
                              A
bombacha e botas e o par de esporas
                               E7  
Me dá o cavalo e o arreio completo 
                                A
vou continuar no teu lugar tropeando
                           E7    
Tropeiro velho levantou os olhos 
                             A
sentado mesmo me abraçou chorando
            A7                     D    
Beijou meu rosto e foi fechando os olhos 
                          A
entregou tudo e morto tombou
                               E7   
Morreu feliz porque vou continuar 
                             A
as tropeadas que ele tanto amou      Bis
Int.
                             E7   
Enterrei ele na beira da estrada 
                               A
pra ver a tropa que passa e se vai
                           E7 
Vejam na cruz vocês vão saber 
                                  A
tropeiro velho era o meu próprio pai
                            E7    
Adeus meu pai tropeiro dos pampas 
                             A
teu pensamento cumprirá teu filho
                            E7   
Estou fazendo aquilo que fizeste 
                                 A
grita a boiada em cima de um lombilho
          A7                     D  
Tropeiro velho hoje descansa em paz 
                              A
estou fazendo aquilo que ele fez
                            E7   
Os anos passam também fico velho 
                            A
vou esperando chegar minha vez
Int.
 

Triste madrugada

Teixeirinha


Triste Madrugada
Tom: E
Intro: E E7 A B7 E
B7            E                
Vem vindo a madrugada, como é triste 
                              B7
  lá vou eu perambulando pelas rua
        A                        B7 
Sou um vulto sem destino a caminhar 
                                 E
   companheiro da querida imagem sua
      A                              
Você dorme nesta hora, sei que dorme 
                           B7           E
   e não sabe que eu me encontro tão sozinho
                             B7 
Relembrando o passado tão feliz 
                                 E
    quando era todo meu o seu carinho
Int.
                 B7            E     
Eu queria nesta hora estar juntinho 
                                     B7
   dos teus braços a chorar no seu ouvido
     A                       B7   
Escutar dos teus lábios soluçando 
                                 E
  fica sempre aqui comigo amor querido
         A                         
Como é triste esta fria madrugada 
                     B7          E
   acordado estou sonhando com você
                          B7   
Minha bela e querida namorada 
                                     E
  não quer mais o meu amor não sei porque
Int.
                       B7         E   
Se eu morresse nesta triste madrugada 
                          B7
    seria tão alegre para mim
       A                       B7 
Eu deixava de sofrer por teu amor 
                                  E
    minha mágoa, minha dor teria fim
       A                             
Lá na campa onde eu ia repousar você 
               B7          E
    talvez levaria-me uma flor
                                  B7  
Lia o meu nome escrito na santa cruz 
                                      E
    este infeliz aqui morreu por teu amor
Int.

Tordilho negro

Teixeirinha

Tordilho Negro
Tom: A
Intro: D A7 D
A7
Correu notícia de um gaúcho lá na estância do paredão
                                                         D
Tinha um cavalo tordilho negro foi mal domado ficou redomão
       G                                       A7
Esse gaúcho dono do pingo desafiava qualquer peão
                           
Dava o tordilho negro de presente 
                                       D
        pra quem montasse sem cair no chão
          G                                             A7
Eu fui criado na lida de campo não acredito em assombração
                                                       D
Fui na estância topar o desafio correu boato na população
Int.
                                                         A7
Era um domingo clareava o dia puxei o pingo e o povo reuniu
                                    
Joguei os trastes no lombo do taura 
                                    D
       murchou a orelha tive um arrepio
         G                                                  A7
Botei a ponta da bota no estribo algum gaiato por perto sorriu
                                                              D
Ainda disseram comigo eram oito que boleou a perna montou e caiu
           G                                              A7
Saltei do lombo e gritei pro povo este será o último desafio
                                
Tordilho negro berrava na espora 
                                        D
       por vinte horas ninguém mais nos viu
Int.
                           
Mais de uma légua o pingo corcoveou 
                                     A7
      manchou de sangue a espora prateada
                                                          D
Anoiteceu o povo pelo campo procurando o morto pela invernada
           G                                                A7
Compraram vela fizeram o caixão a minha alma estava encomendada
                                                            D
A meia noite mais de mil pessoas deixaram da busca desacorçoadas
        G                                                 A7
Dali a pouco ouviram o tropel olharam o campo noite enluarada
                                  
Eu vinha vindo no tordilho negro feliz 
                                   D
          saboreando a marcha troteada
Int.
                               
Boleei a perna na frente do povo   
                                      A7
         deixei a rédea arrastar no capim
                                                             D
Banhado em suor o tordilho negro ficou pastando ao redor de mim
            G                                             A7
Tinha uma prenda no meio do povo muito gaúcha eu falei assim
                                                           D
Venha provar a marcha do tordilho faça o favor monte no selim
          G                    
Andou no pingo mais de meia hora 
                                    A7
        deu me uma rosa lá do seu jardim
                               
Levei pra casa meu tordilho negro 
                                           D
         é mais uma história que chega no fim

Int.

Só espero ser feliz

Teixeirinha
 


Só Espero Ser Feliz
Tom: C7
Intro: F C7 F

C7    
Adeus amigos companheiros de serestas 
                                  F
eu me despeço desta noite dos senhores
                                         C7 
Levo lembranças, recordações das nossas festas 
                                          F
das serenatas, noites lindas, tantos amores
                                  C7
Hoje pra sempre me despeço da boemia 
                                   F
deixo a cidade, volto para o interior
                                       C7   
Eu tenho alguém que lá espera noite e dia 
                                    F
já me cansei e vou viver pra aquele amor
Int.
                                   C7 
Minha querida estou de volta para ti 
                                          F
sofreste muito com minha ausência lá na cidade
                                    C7  
Eu fui rapaz muito boêmio, me diverti 
                                       F
minha adorada, primeiro amor, me deu saudade
                                        C7  
Trouxe o violão toda herança do meu passado 
                                  F
quero cantar depois do nosso casamento
                                      C7    
As serenatas ao teu ouvido, só a teu lado 
                               F
e te amar por toda vida fiz juramento
Int.
                                           C7  
Não chores muito, meu grande amor, tenha alegria 
                                     F
por que o boêmio que tu amas hoje se cala
                                      C7 
O meu passado encerro hoje nesta melodia 
                                    F
e o violão vai pra parede da nossa sala
                                C7  
Quero beijar a tua boca com ternura 
                                   F
te abraçar forte junto ao meu coração
                                        C7    
Quero esquecer as minhas noites de aventuras 
                                    F
quando eu cantar só para ti esta canção
Int.
                                   C7   
Deus abençoe o nosso lar por toda vida 
                                 F
quero moral, quero respeito e orações
                                  C7  
Também prometo ser fiel minha querida 
                                    F
do bom casal são todas estas obrigações
                                         C7  
Por me esperar por tanto tempo e ser sincera 
                                    F
eu agradeço por todo o bem que me quis
                                      C7   
Serás pra mim sempre a primeira primavera 
                               F
e o teu boêmio só espera ser feliz   Bis
Int.
 

Santa Catarina

Teixeirinha

Santa Catarina
Tom: F
Intor: F C7 F 
C7 
Quero te saudar cantando minha Santa Catarina 
                                          F 
Eu não fui nascido aí, mas tudo aí me fascina 
                                         C7 
As tuas praias de mar majestosa obra divina 
                                                 F 
As montanhas verdejantes com a água do mar combina 
       Bb              C7 
Tua linda Florianópolis se espelha no verde mar 
       Bb            F            C7        F 
Contrasta com a natureza e uma sereia a cantar 
           Bb           C7 
A lua derrama prata depois que a noite desce 
      Bb                F          C7            F 
O sol se transforma em ouro depois que o dia amanhece 
 
C7 
Linda Santa Catarina da extensão da grandeza 
                                                 F 
Tuas serras são encantos e os teus vales é só beleza 
                                              C7 
Tuas cidades festivais não há sinal de tristeza 
                                     F 
Tua gente me comove com tanta delicadeza 
       Bb          C7 
Tuas louras e morenas tem perfume da flor 
       Bb          F         C7          F 
Canto Santa Catarina quase morrendo de amor 
         Bb            C7 
Mulher feia nesta terra não poderia nascer 
         Bb         F        C7          F 
Dentro de tanta beleza só beleza pode haver 
 
C7 
Meu povo catarinense, meu amigo, meu irmão 
                                            F 
Faz divisa com o Rio Grande no meio do coração 
                                         C7 
Catarinense e o gaúcho tem a mesma tradição 
                                                   F 
É só me estender o braço que eu te alcanço o chimarrão 
           Bb          C7 
Finco o espeto na divisa, carne gorda e bem assada 
        Bb             F           C7              F 
Me alcance a tua farinha que alcanço a faca prateada 
         Bb            C7 
Tomamos o nosso vinho, selo da nossa amizade 
       Bb            F         C7        F 
Brindamos Getúlio Vargas e Anita Garibaldi 

Relho trançado

Teixeirinha

Relho Trançado
Tom: E
Intro: A  E7  A  E7  D  A  E7  A
E7
Um mau elemento me desafiou
                                 A
De certo não sabe ainda quem eu sou!
                            E7
Me pediu resposta,aqui eu estou,
   D         A        E7      A
Esperando a briga que tu me marcou!
E7
Tu sabe onde eu moro e por onde eu passo,
                                   A
A raça que eu tenho e a força do braço.
                                  E7
Trás o teu trabuco e as balas de aço,
   D        A          E7         A
Tu erras os tiros e eu te passo o laço!
E7
Meu relho trançado eu carrego comigo
                                    A
É a arma que eu tenho prá fraco inimigo!
                                 E7
Tu puxa o trabuco e eu sou um perigo
  D           A        E7        A
E marco o teu lombo no sistema antigo.
E7
Velhinho ordinário, tu já é arroz,
                              A
Pelo teu recado o filho vem depois!
                                 E7
Eu conheço a tropa e o mugir dos bois
     D       A             E7       A
Traz o filho junto, que eu bato nos dois!
E7
Cão que muito ladra não morde ninguém
                                   A
Quem manda recado é certo que não vem!
                                   E7
Mas, se acaso vir, já me preparei bem:
    D         A       E7      A
Meu relho trançado muita fama tem!
E7
Tu, antes de vir, compra a uma gamela,
                                   A
Ponha sal bem grosso e água morna nela
                                  E7
Prá salgar teu lombo, também as canela,
   D          A        E7        A
Depois cala a boca, língua de tramela! 
Int.: A  E7  A  E7  D  A  E7  A

Querência amada

Querência amada (xote) - Teixeirinha



Tom: A
Intro: E A E B7 E

A
Quem quiser saber quem sou olha para o céu azul
B7                    A           B7       E
E grita junto comigo viva o Rio Grande do Sul
                        A
O lenço me identifica qual a minha procedência
 B7                        A      B7       E
Da província de São Pedro padroeiro da querência
B7                E              B7           E
Ó meu Rio Grande de encantos mil disposto a tudo pelo brasil
            B7             E                 B7
Querência amada dos parreirais da uva vem o vinho
                                         E
Do povo vem o carinho bondade nunca é demais
A
Berço de flores da cunha e de borges de medeiros
 B7                       A      B7      E
Terra de Getúlio Vargas presidente brasileiro
                           A
Eu sou da mesma vertente que deus saúde me mande
      B7                       A       B7          E
E que eu possa ver muitos anos o céu azul do rio grande
B7            E                B7          E
Te quero tanto torrão gaúcho morrer por ti me dou o luxo
            B7               E
Querência amada planícies e serras
                  B7
Os braços que me puxa da linda mulher gaúcha
                 E
Beleza da minha terra
A
Meu coração é pequeno porque deus me fez assim
B7                        A        B7        E
O Rio Grande é bem maior mas cabe dentro de mim
                          A
Sou da geração mais nova poeta bem macho e guapo
 B7                       A           B7         E
Nas minhas veias escorrem o sangue herói dos farrapos
B7                E             B7             E
Deus é gaúcho de espora e mango foi maragato ou foi chimango
            B7               E                     B7
Querência amada meu céu de anil este Rio Grande gigante
                                              E
Mais uma estrela brilhante na bandeira do Brasil

Que droga de vida

Que droga de vida (valsa) - Teixeirinha

LP Que Droga de Vida - 1982



Tom: C
Intro: C G7 F G7 C G7 F C G7 C 
 
Que droga de vida que eu estou levando 
                           G7 
com esta mulher está me matando 
                 F                   G7   
Com tantas mulheres que existe no mundo 
                                C 
suspiro profundo com outra sonhando 
                                      
Que droga de vida que estou alegando 
                           G7 
com esta mulher me sacrificando 
                F                 G7    
Há outras mulheres da alma mais pura 
                                C 
 minha procura e eu vivo enjeitando 
 
G7                   C  
Que droga de vida mais a culpa é minha 
              G7                C 
 não é uma rainha pra me chicotear 
                  F                  C   
Que tenha um coração igual a um tesouro
             G7               C 
 e eu sou um tolo deixo me judiar   
 
Que droga de vida que eu estou passando 
                           G7
com esta mulher só me castigando 
                 F                   G7   
Tem outras mulheres que tem mais beleza 
                                   C 
mais tenho certeza que estou acordando 
                            
Que droga de vida que estou    
                                   G7 
amargando com esta mulher me amargurando 
                 F                    G7 
Vou mostrar pra ela que eu venço o duelo 
                                       C 
em outro castelo alguém está me esperando 
 
G7                   C 
Que droga de vida que viver tristonho 
               G7                C 
quero ser risonho com um novo amor 
              F                  C
Quero ser feliz tenho esse direito 
              G7              C 
de tirar do peito essa triste dor 
                 
Que droga de vida que vivo chamando 
                               G7 
pra essa mulher que esta me escutando 
                 F                    G7 
Tem outras mulheres que estão me querendo   
                               C
e eu padecendo e ela me esperando 
                                      
Que droga de vida mais está acabando 
                             G7 
com essa mulher o fim tá chegando 
              F               G7
Com outra mulher estou de namoro 
                             C 
coração de ouro estou te amando 
 
G7               C   
Darei bela vida será mesmo assim 
             G7               C 
levarei para mim uma linda mulher 
              F                C  
Deixei para outra cruel e fingida 
             G7                 C 
da droga de vida faça o que quiser 

Olhar feiticeiro

Teixeirinha

Olhar Feiticeiro
Tom: E
Intro: D A E7 A
E7
Fui perseguido pelo seu olhar tentei fugir por uma razão
                                                          A
Porque em pedaços eu carregava dentro do peito o meu coração
         D                                              E7
Eu tive medo de sofrer de novo é muito triste uma desilusão
           D             A               E7               A
Mas seu olhar insistentemente me faz novamente cair na prisão
E7
Para fingir que não me amava eu quis fazer meu coração ruim
                                                          A
Mas seu olhar meigo e poderoso tomou aos poucos conta de mim
            D                    
Deixei meus olhos recair nos seus 
                                    E7
      e os nossos lábios se uniram assim
       D                 A               E7              A
E apaguei meu antigo desgosto provando o gosto do seu carmim
REFRÃO
           D
Ah,  meu amor
                                A
Por outro alguém já morri de desejo
                              E7        Bis
Mas digo agora que provei seu beijo
                                 A
Não há ninguém que tenha mais calor
Introdução: D A E7 A
                        
E7
Agora sim eu sei que sou amado não tinha medo se houvesse rivais
                               
Você sozinha se prendeu por mim 
                                    A
    seu grande amor não perderei jamais
          D                                               E7
Você meu bem mudou a minha vida já rolei tanto pelos vendavais
               D                 A           E7  
Hoje em meus braços tudo é calmaria pareço o mar 
                    A
    depois dos temporais
Introdução: D A E7 A
             
E7
Teus olhos lindos me atraíram tanto 
          como eu adoro teu corpo moreno
                                                          A
Nos teus cabelos negros como a noite o teu amor é doce veneno
        D                        
Te amo tanto como a própria vida 
                               E7
  chego a sentir meu coração vivê-la
               D                 A          E7              A
Sinto em meus lábios a sede do amor onde eu bebo gotas de sereno
Introdução: D A E7 A

O colono

Teixeirinha

O Colono
Tom: E
Intro: E B7 E
E              B7 
Não ri seu moço daquele colono 
         A                  E
agricultor que ali vai passando
                    B7    
Admirado com o movimento 
                        E
desconfiado lá vai tropeçando
                            B7  
Ele não veio aqui te pedir nada 
          A                       E
são ferramentas que ele anda comprando
                         B7   
Ele é digno de nosso respeito  
                        E
de sol a sol vive trabalhando
                                B7   
Não toque flauta não chame de grosso 
         A   G#m           F#m   E
pra te alimentar na roça está lutando
Intro.
                             B7   
Se o terno dele não está na moda 
         A                  E
não há motivo pra dar gargalhada
                            B7     
Este colono que ali vai passando 
                          E
é um brasileiro da mão calejada
                              B7   
Se o seu chapéu a da aba comprida 
        A                 E
ele comprou e não te deve nada
                            B7    
É um roceiro que orgulha a pátria 
                             E
e colhe o fruto da terra lavrada
                            B7    
E se não fosse esse colono forte 
  A   G#m           F#m    E
tu ias ter que pegar na enxada
Int.
                              B7   
E se tivesse que pegar na inchada 
       A                E
queria ver-te mocinho moderno
                             B7    
Pegar num coice de um arado nobre 
                          E
e um machado pra cortar o cerno
                           B7 
E enfrentar doze horas de sol 
           A                E
num verão forte tu suava o terno
                              B7   
Tirar o leite e arrancar mandioca 
                              E
no mês de julho no forte do inverno
                            B7   
Tuas mãozinhas, finas, delicadas 
   A    G#m       F#m       E
criavam calos viravam um inferno
Int.
                          B7    
Esse colono enfrenta tudo isso 
        A                     E
e muito mais eu não disse a metade
                              B7   
Planta e colhe com o suor do rosto 
                             E
pra sustentar nós aqui na cidade
                              B7    
Não ri seu moço mais desse colono 
       A             E
vai estudar numa faculdade
                          B7  
Tire o VR e chegue lá na roça 
                         E
repare lá quanta dificuldade
                        B7    
Faça algo por nossos colonos
      A       G#m          F#m    E
 e que Deus lhe pague por tanta vontade
Intro.

Mocinho aventureiro

Teixeirinha

Mocinho Aventureiro
Tom: B
Intro: (C#7 F# B7 E) B7 E B7 E
B7                         E
Era mocinho ainda me lembro, dezoito anos completei
                    B7                              E
Eu resolvi sair de casa, clareava o dia eu me aprontei
                      B7                           E
A minha mãe me perguntou, diga meu filho pra onde vais
                             B7                        E
Não respondi, só dei-lhe um beijo e abracei meu velho pai
                           B7                         E
Ao despedir choram os que ficam também chora quem se vai
B7                             E
Piquei na espora o meu tordilho, olhei pra trás por despedida
                          B7                         E
Chorava irmão, chorava irmã, chorava o pai e mãe querida
                         B7                     E
Também chorava estrada afora no meu cavalo galopando
                    B7                         E
Olhava a mata orvalhada, ouvia os pássaros cantando
                      B7                    E
Pela mocinha que eu amava, eu também ia chorando

Int. (F# B7 E)

                      B7                             E
Eu destinei correr a mundo, fazem dez anos e não voltei
                         B7                            E
Duzentas léguas está distante, quem me amava eu lá deixei
                        B7                             E
Não fui feliz nesta jornada, por isso não voltei pra trás
                          B7                             E
Mas no momento em que melhore, eu vou rever meus velhos pais
                         B7                      E
Quero abraçar os meus irmãos e de lá não sair jamais
F                        C7                          F
Os irmãos devem estar casados e os meus pais envelhecidos
                        C7                             F
Por não saber notícias minhas, pensam que eu tenha morrido
                      C7                      F
E a mocinha que ainda amo se ela casou felicidades
                         C7                         F
Se não casou ainda me espera, vamos unir pra eternidade
                        C7                            F
Juntinho dela e meus parentes, morre pra sempre a saudade
fim: D7 G C F D7 G C F

Lindo rancho

Teixeirinha

Lindo Rancho
Tom: A
Intro: D A E7 A 
   
E7 
Eu tenho um lindo rancho na minha fazendola 
                                  A 
As horas que me folga eu toco na viola 
                                        E7 
Feliz por toda a vida serei de Deus quiser 
                                          A 
Quem cuida do meu rancho é um sonho de mulher 
 
D                  A 
Eu saio a cavalgar em busca da boiada 
              E7                    A 
Andando pelo campo eu canto uma toada 
                 D                A 
O meu cavalo branco galopa sem parar 
                  E7                 A 
Os meus peões entoam meu jeito de cantar 
 
D            A 
(Io lerô leri, io lerô lará 
              E7            A 
Io Lerô leri, lari, lari rurá) 
 
E7 
Não troco meu viver por luxo da cidade 
                                 A 
Aquele corre-corre não é felicidade 7 
Aqui dá a laranja, banana, dá maçã 
                                A 
O gado dá a carne, a ovelha dá a lã 
 
D                 A 
Nas várzeas do meu campo eu crio os animais 
                E7                      A 
No alto da coxilha eu planto os meus trigais 
                  D                         A 
E quando morre o dia pro rancho estou voltando 
                  E7                      A 
Os meus peões entoam pra ela eu vou cantando 
 
D            A 
(Io lerô leri, io lerô lará 
              E7            A 
Io Lerô leri, lari, lari rurá) 
 
E7 
A lua no terreiro sento a beira do rancho 
                                        A 
Pra minha doce amada canto que me desmancho 
                                       E7 
Bonita e carinhosa apaga outras que eu tive 
                                     A 
Feliz no lindo rancho assim a gente vive 
 
D                      A 
Não troco o lindo rancho por nada neste mundo 
               E7                     A 
Aqui a liberdade eu respiro bem profundo 
                  D                A 
E quando chove muito eu lido no galpão 
                  E7                 A 
Os meus peões entoam comigo esta canção 
 
D            A 
(Io lerô leri, io lerô lará 
              E7           A 
Io Lerô leri, lari, lari rurá) 
 

Judiaria

Teixeirinha

Judiaria
Tom: D
D                                  Em
Agora você vai ouvir aquilo que merece 
    A                                        D
As coisas ficam muito boas quando a gente esquece 
                                         Em
Mas acontece que eu não esqueci a sua covardia 
A sua ingratidão 
     A                      
A judiaria que você um dia 
              D
Fez pro coitadinho do meu coração 
         G
Essas palavras que eu estou lhe falando 
            D
Têm uma verdade pura, nua e crua 
                 Em              A
Eu estou lhe mostrando a porta da rua 
               D
Pra que vocês saia sem eu lhe bater 
          G
Já chega o tempo que eu fiquei sozinho 
                 D
Que eu fiquei sofrendo, que eu fiquei chorando 
       Em                     A
Agora quando eu estou melhorando 
            G                 D
Você me aparece pra me aborrecer

Já me cansei

Teixeirinha

Já Me Cansei
Tom: D
Intro: G  Em7  A7  D  Bm7  F#m7  Em7  A7  G  D
D
Já me cansei
                    A7
De amar quem não merece
Já me cansei
                      D
De quem não gosta de mim
Fui bom demais
                   A7
Pra quem não reconhece
Um homem honesto
                 D
Não pode viver assim
D
Quem me encontrar
                A7
Por aí muito sozinho
Não diga nunca
                    D
Que eu devo algum pecado
Eu dei as flores
                    A7
Para quem me deu espinhos
Jurando amor
              D
Me trazia enganado
REFRÃO:
G
Não
         Em7         A7            D
Não, esperava o fingimento deste alguém
        Bm7        F#m7        Em7
Mas ela irá passar por aqui também
         A7                     D
Pior que eu mentindo que me fez bem
Esta mulher
             A7
Nuca teve coração
Quem conhecer dirá
               D
O mesmo que eu acho
                          E7
Ela me deve a maior ingratidão
Vai me pagar
                      D
Quando deus olhar prá baixo
Quando passares
                      A7
Na estrada onde eu passei
Verás meu rastro
                  D
Se a chuva não apagou
Mas vai pisar
                          A7
As mesmas pedras que eu pisei
A essa altura
                D
Minha vida já mudou
REFRÃO:
G
Não,
          Em7
Não me querias
       A7          D
Mas fingia que me amavas
          Bm7
Por muito tempo
    F#m7       Em7
Ser amado eu pensava
          A7
Se fosse franca
                     D
Hoje talvés lhe perdoava
Quando as lágrimas
                A7
Rolarem em tua face
Quando o orgulho
                D
Abandonar o teu peito
Seria bom
                     A7
Que o espelho te mostrasse
Toda a tristeza
                     D
De um grande amor desfeito
Passei por isso 
                     A7
Só mais tarde eu entendi
Não era amado
                   D
Brincavas com meu amor
Quando sofreres
                  A7
Tudo aquilo que sofri
Irás gemer
                D
Como eu a mesma dor
REFRÃO:
G              Em7
Não, todos vão ver
      A7          D
Tu chorando arrependida
         Bm7
Por todo mal
       F#m7        Em7
Que me causaste na vida
         A7
A essa altura
                 D
Já curei minha ferida.
G  F#m7  Em7  D

Gaúcho da Passo Fundo


Gaúcho de Passo Fundo (xote, 1960) - Teixeirinha

Nosso querido Teixeirinha teve uma infância pobre. Seu pai era carreteiro e faleceu quando tinha seis anos. Aos nove anos, perdeu a mãe, que devido a uma crise epilética, morreu queimada na fogueira de lixo que fazia nos fundos do quintal da casa onde morava.

Menino órfão, passou a trabalhar em granjas na cidade em que nasceu. Depois foi para Porto Alegre, onde vendeu doces, verduras e trabalhou no cais. Muitas vezes, teve que dormir debaixo do viaduto da Avenida Borges de Medeiros, conforme declarou. Aprendeu a tocar violão sozinho, iniciando carreira em circos e emissoras de rádio do interior gaúcho.

Em 1959, gravou seu primeiro disco, onde interpretou o arrasta-pé Briga no batizado e o xote Xote soledade, ambos de sua autoria. O disco não alcançou grande repercussão e ainda gravaria, naquele mesmo ano, mais dois discos. Em 1960, gravou o xote Gaúcho de Passo Fundo e a toada-milonga Coração de luto, ambos de sua autoria.

Título da música: Gaúcho de passo fundo / Gênero musical: Chótis / Intérprete: Teixeirinha / Compositor: Teixeirinha / Acompanhamento: Calçada, Alberto / Gravadora Sertanejo / Número do Álbum 10104 / Data de Lançamento 07/1960 / Lado: lado A / Acervo José Ramos Tinhorão / Rotações Disco 78 rpm:


Tom: D
Intro: G D A7 D G D A7 D  
 
D                             G
Me perguntaram se eu sou gaúcho, 
         A7                   D  
está na cara, repare o  meu jeito 
                             A7  
Eu sou gaúcho lá de Passo Fundo 
                                  D 
e trato todo mundo com muito respeito 
              G              D               A7   
Mas se alguém me pisar no pala meu revolver fala 
                      D 
e o buchincho está feito. 
 
D                              G  
Não sou nervoso, nem carrego medo, 
         A7                 D  
eu me criei sem conhecer remédio  
                                  A7  
Eu meto o peito em qualquer fandango, 
                                   D 
mas quando me zango até derrubo prédio 
           G                        D  
Eu sou gaúcho e se me agride eu tundo, 
              A7                 D 
sou de Passo Fundo do Planalto médio 
 
D                             G  
Me perguntaram qual era a razão 
          A7                   D 
de ter orgulho em ser passofundense 
                              A7      
Eu respondi sou da terra do trigo 
                              D 
tem povo amigo e quando luta vence  
        G                    D   
É um pedaço do Rio Grande amado,  
             A7                    D 
orgulha o estado e o povo riograndense  
 
D                           G   
Já respondi a pergunta seu moço, 
          A7                    D  
me dá licença vou encilhar o cavalo  
                                 A7       
Brasil a fora atravessei os estados,     
                                   D 
troteando apressado vim tirando o talo 
               G                     D   
Pra ver as prendas mais lindas do mundo,  
                 A7                 D 
chega em Passo Fundo no cantar do galo 

Gaúcho amigo

Gaúcho amigo - Teixeirinha

LP 20 Anos de Glória - 1979



Tom: D
Intro: D A D A G F#m Em D 
 
D              A7                    D 
Tá garoando lá fora, boleia a perna gaúcho 
                   A7                 G  
E chegue cá pro galpão, onde tem chimarrão    (Bis) 
        A7       D 
Não precisa ter luxo       
                      A7   
Vem me contar da tristeza 
                            D 
que está abatendo no teu coração 
                                   A7 
Eu soube que a china que amavas partiu,  
           G             A7      D 
De ti desistiu, foi pra outro rincão 
                                A7  
Não liga pra isso, agüenta o repuxo, 
                            D 
 tá certo gaúcho a china é potra, 
                             A7  
Goleia o amargo da cuia prateada, 
             G     A7        D 
isso não é nada tu arruma outra. 
 
 
(Refrão)     (intro)    (Refrão) 
 
A7  
Senta aqui perto do fogo desata 
                           D 
 esta mágoa e conte a história 
                                A7   
Eu também conto o que passou comigo, 
         G     A7        D 
gaúcho amigo saí com a vitória 
                                A7  
Não lembro o dia mas foi certa vez,
                               D 
 uma china me fez sair porta a fora 
                               A7   
Chamei a danada e segurei no braço, 
             G        A7         D 
debulhei no laço e mandei ela embora 
 
 
(Refrão)     (intro)    (Refrão) 
 
A7       
Não chores não tenha tristeza 
                                   D 
enxuga esse pranto que cai do teu rosto 
                                A7    
Tira da lembrança essa china maleva 
          G        A7         D 
apaga essa treva de mágoa e desgosto 
                              A7   
Faça o que fiz uma outra arranjei 
                              D 
com esta casei e garanto que presta 
                                   A7   
Mas se me for falsa eu suspendo o pala 
           G       A7       D 
e meto uma bala no meio da testa 
 
 
(Refrão)    D A G F#m Em D 

Fim do nosso amor

Teixeirinha

Fim do Nosso Amor
Tom: Bm
Intro: G D A7 D
Bm7             Em7
Passei a noite toda ela em você pensando
      A7                          D
Imaginando o seu viver sem meu carinho
         B7                          Em7
Será que outro fará o mesmo que eu fazia
            A7                                D
Tirando as pedras que sempre existe no seu caminho
G
Vai, vai querida
                                 D
A liberdade foi você mesma que quis
                                         Em7
Tomara Deus que arranje outro melhor que eu
         A7                          D
Eu só desejo que você sempre seja feliz
Introdução: G D A7 D
Bm7               Em7
E está noite que eu passei pensando em você
         A7                         D
Eu esqueci foi de pensar em mim também
           B7                          Em7
Deixa pra lá, eu penso em mim um outro dia
           A7                               D
Fecha uma porta, abre-se outra pra mais alguém
G
Vai, vai querida
                                               D
Siga em frente na nova estrada e não pense em mim
                                        Em7
Não vou chorar, vou entender e me conformar
          A7                                    D
Todo o romance cedo ou mais tarde chega ao seu fim
Introdução: G D A7 D
Bm7           Em7
Não conseguimos nos entender jamais na vida
         A7                          D
Pra reviver um grande amor que já viveu
          B7                              Em7
Já não me amas, há muito tempo venho percebendo
          A7                             D
E foi por isso que o meu amor também morreu
G
Vai, vai querida
                                      D
Me maltratou, não amo mais, não nos amamos
                                             Em7
As pedras rolam , o mundo é grande, pelas estradas
           A7                            D
Talvez um dia, pra conversar, nos encontramos
Introdução: G D A7 D

Falso amigo

Teixeirinha

Falso Amigo
Tom: C
Intro: Fm Bbm Eb7 Ab Fm C# C7 Fm C7 Fm
C7      
Sai da frente, falso amigo, ela é só minha 
                           Fm
não tente conquistar seu coração
                                    C7         
Faz muito tempo que a ela eu encontrei era pura,
                      Fm
 por ninguém tinha paixão
                                Bbm   
Eu criei, eu acolhi, eu a conservei, 
     C7                     Fm
como posso entregar a um ladrão
      Bbm                       Ab      
Ela me ama, eu a amo, nós nos amamos 
        C7                   Fm
somente a morte nos dará separação
Intro.
C7  
Ela tinha quinze anos, não esqueço 
                          Fm
era livre nunca teve namorado
                                   C7    
Não a roubei de ninguém, trouxe comigo 
                              Fm
já faz anos que ela vive a meu lado
                                  Bbm    
Falso amigo não és Deus, não és a morte 
      C7                     Fm
pra levar contigo o meu bem amado
      Bbm                           Ab   
Vai fazer como eu fiz, não seja intruso 
    C7                        Fm
desejar a mulher do outro é pecado
Intro.
C7         
Ela é boa, ela é minha, ela é sincera 
                               Fm
ela é um anjo de carinho e de bondade
                             C7    
E tu que eu pensei ser meu amigo 
                            Fm
escondia no teu peito a falsidade
                               Bbm 
Tua carta ela queimou rindo de ti 
            C7               Fm
mostrando a mim a sua sinceridade
          Bbm                     Ab   
Foste pra mim o mais falso companheiro 
         C7                     Fm
és um covarde, ladrão de felicidade
Intro.
                                C7     
Falso amigo te afasta do meu caminho 
                                  Fm
sabes bem que ela me ama e não te quis
                                    C7    
Vai procurar um coração que esteja livre 
                              Fm
faça o mesmo, como com ela eu fiz
                                  Bbm   
Ela é minha, eu sou dela, sai da frente 
      C7                       Fm
ouça bem o que meus versos te diz
     Bbm               Ab            C7   
Com a infelicidade dos outros neste mundo 
                    Fm
ninguém pode ser feliz
Intro.

Facão três listas

Teixeirinha

Facão tres listas
Tom: C#7
Intro: F# C#7 F# 
C#7  
Eu mandei fazer no ano passado 
                              F# 
um facão três lista aço temperado 
                                C#7 
Pra fazer parelha com relho trançado 
                             F# 
por que novamente fui desafiado 
                               C#7   
Agora é um outro do pelo mais duro 
                           F# 
esse não é velho é um cara maduro 
                                 C#7 
Diz que vem armado pra brigar seguro  
                                    F# 
o que eu faço nele pros meus fãs eu juro 
                                   B    
O relho por cima e o facão por baixo 
            C#7                  F#
e esse cara macho corto a laço e furo 
 
C#7   
O velho e o filho do relho trançado 
                                F# 
vieram na briga e eu deixei marcado 
                              C#7 
Calaram a boca com o lombo coçado 
                                F# 
agora é a vez do meu facão listado 
                                     C#7    
Esse outro cara é mais macho e tem crista 
                             F# 
e ele quem se gaba, bom propagandista 
                                     C#7      
Diz que atira bem e não é curto de vista 
                           F# 
ele é valentão e eu sou repentista 
                                   B   
Meu relho te pega corta e abre rombo 
             C#7                     F# 
estreio em teu lombo meu facão três lista 
 
C#7   
Eu vou bater forte na hora da briga 
                                  F# 
te marco nas costa e ponteio a barriga 
                                 C#7     
Tu, é ordinário e Deus não me castiga
                              F# 
 o facão te pega e de mim tu desliga 
                             C#7  
Pra marca do relho recomendo sal 
                                    F# 
pra marca do três lista é outro material 
                             C#7   
Põe erva de bicho que é medicinal 
                                 F# 
ou procure a porte de algum hospital 
                                      B   
Valentão que eu pego chora e me obedece 
             C#7             F#
e jamais esquece o facão especial 
 
C#7    
Guardei teu recado e a tua proposta 
                                F# 
respondo cantando não sei se tu gosta 
                                   C#7  
O que me interessa é te dar a resposta 
                                       F# 
depois te marcar com três lista nas costas 
                                C#7 
Quem manda recado eu jamais esqueço 
                            F# 
quero que anote o meu endereço 
                                   C#7   
Eu moro na glória e medo eu não conheço 
                              F# 
e sabe os lugares onde eu apareço 
                                  B  
Meu facão três lista no dia se solta 
             C#7                 F# 
e mando de volta com couro do avesso 

Eu quisera

Teixeirinha

Eu Quisera
Tom: B
Intro: E C#m F#m B7 A E C#m F#m B7 E
B7                            E
Eu quisera dormir nos teus braços e acordar na doçura dos beijos
                             B7                            E
Com ternura acariciar o teu rosto lhe amando matar meus desejos
                         B7                              E
Eu quisera construir um lar muitas flores plantar no jardim
                             B7 
Eu quisera ser mais que um amigo
                                 E
mas eu não consigo seu amor pra mim
B7               E          B7                E
É tão grande a nossa amizade dá saudade, e você sabe disso
                           B7                     
Vivo preso no seu lindo olhar que não quer me amar,
                   E
mas me faz um feitiço
Intro.
B7                                E
Eu quisera fazer qualquer coisa pra ganhar seu amor tudo eu faço
                      B7                            E
Entraria na jaula da fera e tentava lhe ganhar no braço
                             B7                         E
Sem revólver, sem faca, sem nada entraria com uma condição
                              B7          
Se eu vencesse e saíssem com vida seria, 
                      E
querida meu o seu coração
B7                 E      
Lhe proponho qualquer aventura 
   B7                E
é loucura mas diga se quer
                         B7            
E depois meu amor lhe direi que jamais
                          E
olharei para uma outra mulher
Intro.
B7                              E
Eu quisera não ser só amigo deste jeito é que você me trata
                       B7                            E
Me declaro em versos agora essa valsa que é uma serenata
                         B7                               E
Me responda somente por carta tenho medo de ouvir pessoalmente
                             B7 
Se a resposta for não, morrerei 
                                       E
se a resposta for sim lhe ouvirei docemente
B7            E         B7                    E
Ficarei na expectativa a missiva escrita eu quero ler
                         B7   
Sendo sim meu amor me liberta 
                                      E
sendo não fique certa de amor vou morrer

É meu, é só meu

Teixeirinha

É Meu, É Só Meu
Tom: Am
Intro: C Dm7 G7 C
Am7                   Dm7
Se um dia outro poeta tentar cantar mais do que eu
     G7                                       C
Pra conquistar seu amor que pra mim sempre viveu
    F                                          G7
Eu vou cantar muito mais pra vencer quem a perdeu
  Am7          Dm7         G7               C
E defendo seu amor, que é meu, é meu, é só meu
Intro.
Am7            Dm7
Ai de qualquer um poeta que neste mundo nasceu
    G7                                        C
Querer me ganhar cantando o amor que Deus me deu
   F                                         G7
Faço o sol parar no céu, chover onde não choveu
  Am7            Dm7        G7               C
E defendo o seu amor que é meu, é meu, é só meu
Intro.
Am7              Dm7
Os poetas que tentaram me vencer, não resolveu
    G7                                            C
Fiz os poemas mais lindos que a mão de Deus escreveu
     F                                         G7
Mostrei ser o rei do verso, a minha idéia cresceu
  Am7            Dm7         G7               C
E defendi o seu amor, que é meu, é meu, é só meu
Intro.
Am7          Dm7
Amo você mais que a vida, você já reconheceu
    G7                                             C
Por isso que outro poeta que ouviu o cantar se rendeu
   F                                        G7
A minha musa inspiradora quem me vencer morreu
  Am7            Dm7        G7               C
E defendi o seu amor que é meu, é meu, é só meu
Intro.

Cinzeiro amigo

Cinzeiro amigo (1960) - Teixeirinha



Tom: Em
Intro: Em Am D7 G Em B7 Em B7 Em 
 
B7 
Cinzeiro amigo velho pedaço de bronze 
                                        Em 
Tu guardas cinzas dos cigarros que eu fumei 
                                      B7 
Cinzeiro amigo não fala, não é indiscreto 
                                                     Em  B7 E 
Me ouve fica bem quieto não conta às vezes que eu chorei 
 
B7 
Este cinzeiro, meu amigo que eu te falo 
                           A         E 
É quem disfarça a minha triste solidão 
                                  B7 
Juntinho dele é que procuro esquecer 
                               E 
De quem magoou o meu pobre coração 
                                     B7 
Cinzeiro amigo em cada ponta de cigarro 
                      A             E 
Reprisa a história tirada do peito meu 
                                 B7 
É um romance de tristeza e amargura 
                                            E  B7 Em 
Que estou sofrendo por alguém que me esqueceu 
 
Int. 
                                  B7 
Cinzeiro na expressão mais comovida 
                                        Em 
Meu companheiro das noites que não tem fim 
                                       B7 
Quando a fumaça pelos ares vai se perdendo 
                                        Em  B7 E 
Estais sabendo que ela já esqueceu de mim 
 
B7 
Talvez um dia ela lembre com saudades 
                         A           E 
Deste infeliz que te amou e abandonaste 
                                   B7 
E este crime tu vai ter na consciência 
                                   E 
Que o meu amor era só teu e tu mataste 
                                            B7 
Cinzeiro amigo nas horas que estou mais triste 
                      A               E 
E os restos de cigarro tu vai acumulando 
                                   B7 
Ela talvez um dia acumule a tristeza 
                                  E        Bis 
E vai falar neste cinzeiro soluçando 
 

Cobra sucuri

Cobra sucuri (1963) - Teixeirinha



Tom: F#
Intro: B F#7 B

F#7                              B
Eu as veis tô me lembrando de um bom compadre que eu tinha
                F#7                    B
Valente como o diabo pior que galo de rinha
          B7         E       C#7      F#7
Quando o compadre puxava sua faca da bainha
                                         B
Até a própria polícia prometia mais não vinha
Int.
                 F#7                  B
Me contou um morador lá do rio Gravataí
                      F#7                        B
Que na barranca desse rio ninguém mais pescava ali
        B7         E       C#7       F#7
Porque tinha aparecido uma cobra sucuri
                                    B
E esta cobra fazia todo pescador fugir
Int.
                     F#7                         B
Eu contei pro meu compadre ele agarro e pegou a rir
                   F#7                     B
Me convidou pra ir lá mas eu já me arrependi
    B7              E        C#7        F#7
Pra ele não embravecer eu fui obrigado a ir
                                       B
Lá na costa deste rio ver a cobra sucuri
Int.
                    F#7                      B
Nós cheguemos na barranca até me deu um arrepio
                   F#7                          B
Mas quando eu vi a cobra o meu compadre também viu
  B7           E        C#7             F#7
A água fez uma onda e na onda a cobra subiu
                                             B
E ainda por desaforo deu uns quatro o cinco pio
Int.
                     F#7                        B
Meu compadre vendo a cobra já foi largando a tamanca
                   F#7                        B
Deu um jeitinho no corvo e da sua faca ele arranca
   B7          E         C#7          F#7
A cobra veio piando veio subindo a barranca
                                                B
E eu também já fui subindo num pé de figueira branca
Int.
                   F#7                        B
Lá de cima eu tava vendo como um homem se desdobra
                 F#7                      B
Ai vi que meu compadre tinha destreza de sobra
     B7              E          C#7         F#7
Ele foi dando um jeitinho foi fazendo uma manobra
                                              B
Em vez da cobra como ele, ele é quem comeu a cobra
Int.
                  F#7                       B
Depois da cobra comida meu compadre embraveceu
                 F#7                         B
Olhou para mim e disse porque foi que tu correu
     B7          E           C#7           F#7
Ora, ora meu compadre tu bem sabes quem sou eu
                                        B
Eu tava loco de medo da cobra que tu comeu
Int.