quinta-feira, 13 de junho de 2013

Duo Irmãs Celeste

Duo Irmãs Celeste - Dupla formada pelas cantoras Diva Araújo (Sacramento, MG) e Geisa Araújo (Sacramento, MG). Diva, ainda criança, começou a se apresentar na Rádio PR - 5 de Uberaba, para onde a família havia se mudado. Mais tarde, mudando-se para São Paulo, Diva começou a cantar na Rádio Nacional no programa do Dr. José Rosa.

Resolveu formar dupla com a irmã Geisa. Dotadas de vozes afinadas, as irmãs agradaram imediatamente e foram convidadas por Blota Jr, para atuar na Rádio Record. Como eram muito bonitas, ficaram conhecidas como "As bonecas que cantam". Conheceram o acordeonista Mário Zan que passou a empresariá-las.

Em 1957 gravaram o primeiro disco, interpretando a valsa Cantando, de Mário Zan e Arlindo Pinto, e o rasqueado O trem apitou, de Mário Zan e Arlindo Pinto. Passaram a fazer apresentações pelo Brasil.

Em 1958, gravaram a valsa Calendário da vida, de Mário Zan e Nonô Basílio e o rasqueado Nova flor, de Palmeira e Mário Zan, que alcançaria grande sucesso, sendo gravada posteriormente por diversos outros intérpretes, inclusive no exterior. Gravaram também Beijinho doce, de Nhô Pai e Roceira, do Capitão Furtado.

A dupla seguiu se apresentando ao longo de seis anos, gravando ainda oito LPs, em seguida, se desfez. Geisa casou-se com Mário Zan e seguiu a carreira solo, tendo apresentado-se na Alemanha. Depois que se separou do acordeonista, acabou por abandonar a vida artística.

Diva permanece na carreira sendo contratada pela Rádio São Paulo onde se apresentou como cantora e radioatriz. Atuou também na TV Record. Participou na TV Tupi das novelas O punhal de prata, A fábrica e O hospital. Participou ainda da revista No país dos bilhetinhos e foi crooner de boates.

Em 1996 o duo teve a música Cantando, de Mário Zan e Arlindo Pinto regravada no CD Meio século de música sertaneja, pela BMG.

Obra

Implorando teu carinho (Geisa Araújo e Zito Vieira)

Discografia

([S/D]) Só resta a dor/Pressentimento • Continental • 78
([S/D]) Aquela fotografia/Até morrer • Continental • 78
([S/D]) Sempre te quero/Implorando teu carinho • Continental • 78
(1962) Vida cruel/Vai saudade • RGE • 78
(1962) Meu querido/Junto de ti • RGE • 78
(1962) Quem diria/Você no meu pensamento • Sertanejo • 78
(1961) Restaurante do papai/Volta, meu bem • Sertanejo • 78
(1961) "Ta" de mal comigo/Somos três • Chantecler • 78
(1961) Lencinho verde/Junto a mim • Chantecler • 78
(1960) Minha sombra é você/Manakiriki • Sertanejo • 78
(1960) Escrava do amor/Só você • Chantecler • 78
(1959) Longe de ti/Tem pena, moreno • Chantecler • 78
(1959) Bambolê/Linda forasteira • Chantecler • 78
(1959) Desilusão/Somente Deus • Chantecler • 78
(1959) Meu primeiro beijo/Arrasta a jangada • Sertanejo • 78
(1958) Nova flor/Calendário da vida • Chantecler • 78
(1958) Alvorada tupi/Vovó caduca • RCA Victor • 78
(1957) Cantando/O trem apitou • RCA Victor • 78

__________________________________________________
Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Zé Mulato e Cassiano


Zé Mulato (José das Dores Fernandes), nascido em 12/08/1949, e Cassiano (João Monteiro da Costa Neto), de 19/04/1955, naturais de Patos de Minas-MG, formam nos dias de hoje a mais autêntica dupla caipira brasileira.

Combinando, o romantismo da dupla Zé Carreiro e Carreirinho, o modo de tocar a viola que nos faz lembrar " Tião Carreiro e Pardinho" e também o bom humor que nos faz lembrar das inesquecíveis sátiras das saudosas duplas Alvarenga e Ranchinho e Jararaca e Ratinho, "Zé Mulato e Cassiano" formam o que conhecemos como a "Dupla Três em Um".

Zé Mulato e Cassiano Cantores e compositores, tiveram as primeiras lições de música com o pai, que tocava cavaquinho e cantava. Zé Mulato aprendeu os primeiros passos na viola com o andarilho Raimundo Roda, que estava de passagem por sua cidade.

 Em 1969, formaram a dupla e mudaram-se para Brasília a fim de tentar a carreira artística. Em 1978, gravaram o primeiro disco pela gravadora Chororó. Em seguida, gravaram mais quatro discos. Participaram, também, de inúmeras coletâneas, entre elas, uma homenagem ao Capitão Furtado, onde cantaram ao lado de Sivuca, Rolando Boldrin, Roberto Corrêa e outros. Muitas de suas composições foram gravadas por diversos violeiros em vários estados do Brasil. O cantor Eduardo Dusek gravou "Soraia".

Adeptos da música sertaneja de raiz, ficaram dez anos sem gravar, desencantados com o rumo da música sertaneja, embora continuassem a cantar e a se apresentar em qualquer lugar onde houvesse respeito e admiração pela música de raiz.

Retornaram às gravações, em 1988, pelas mãos da dupla Pena Branca e Xavantinho, que os levou ao compositor Vitor Martins da gravadora Velas. No mesmo ano, gravaram o CD "Meu céu", com direção musical de Roberto Corrêa. Receberam por este CD o Prêmio Sharp de melhor CD de música regional daquele ano.

Em 1999, com produção de Roberto Corrêa, gravaram o CD "Navegantes das Gerais", registrado com os músicos tocando ao vivo, como se estivessem num palco. Interpretaram toadas, modas de viola, batuque, valseado, cururu, queruma, xote e pagode-de-viola.

Destacam-se as composições "Boca da noite", "Chão mineiro", "Meu deserto", "Remoendo solidão", "Diário de caipira" e a faixa título "Navegante das Gerais", em que fazem uma verdadeira profissão de fé ao afirmarem "Se me chamam caipira, fico até agradecido, pois chamando sertanejo, eu posso ser confundido".

Algumas obras

A face da moeda (Zé Mulato e Cassiano) • A vantagem da pobreza (Zé Mulato e Cassiano) • Boca da noite (Zé Mulato e Cassiano) • Chão mineiro (Zé Mulato e Cassiano) • Cinqüentão (Zé Mulato) • Diário do caipira (Zé Mulato) • Lágrima (Zé Mulato e Cassiano) • Melhor sozinho (Zé Mulato) • Meu deserto (Zé Mulato e Cassiano) • Navegante das Gerais (Zé Mulato e Cassiano) • Remoendo solidão (Zé Mulato) • Revolta (Zé Mulato e Cassiano) • Saudação (Zé Mulato e Cassiano) • Soraia (Zé Mulato e Cassiano) • Tarde no sertão (Daniel Fernandes e Zé Mulato).

 Fontes: Revivendo Músicas; Programa Umaitá: Zé Mulato e Cassiano - A dupla três em um.