sábado, 18 de setembro de 2010

Dicionário regionalista

Abichornado – crioulo – acovardado, apequenado.

Afeitar – espanhol – fazer a barba

Âiga-te (âigale-te) – espanhol – interjeição de surpresa que enaltece o que foi ouvido; âigate.

A la pucha (a la putcha) – espanhol – interjeição de surpresa que enaltece o que foi ouvido; âigate.

Alcaide – provavelmente espanhol, pois tem significado muito oposto do homônimo português, oriundo do árabe – cavalo velho, ruim inútil; serve para pessoas também.

Andar a/pelo cabresto – português – o mesmo termo que designa a condução do animal, indica que alguém está sendo conduzido por outro.

Andar de rédea solta – português – também se referindo a pessoas, significa que alguém não sofre controle estrito de nada nem ninguém; um momento de folga.

Bagual – crioulo – cavalo que não foi castrado; homem.

Balaquear – crioulo – gabar-se, mentir, conversar fiado; vanguardar-se.

Barbaridade – português – barbarismo. Tanto adjetiva como pode ser uma interjeição de espanto.

Bate-coxa – português – baile, dança.

Bombacha – espanhol platino – peça (calça) que caracteriza a indumentária gaúcha. Tem origem turca e foi introduzida na América pelos comerciantes ingleses, de presença marcante no pampa platino.

Buenacho – espanhol – muito bom, excelente; bondoso, cavalheiro.

Campanha – português – planície rio-grandense; pampa.

Capilé – francês – refresco de verão, feita com um pouco de vinho tinto, água e muito açúcar.

Castelhano – espanhol – indivíduo oriundo de Uruguai ou Argentino

Cevador – português – pessoa que prepara o chimarrão e o distribui entre os que estão tomando.

Charque – espanhol platino – carne de gado, salgada em mantas.

Chasque – quíchua – mensageiro, estafeta.

Chiru (xiru) – tupi – índio velho, indivíduo de raça cabocla.

Chucro (xucro) – quíchua – animal arisco, nunca domado; pessoa de mesmo temperamento ou sem empirismo, inexperiente.

Cusco – espanhol platino, provavelmente já emprestado do quíchua – cachorro pequeno e de raça ordinária (ou sem); guaipeca.

De orelha em pé – português – da mesma forma que o animal de sobreaviso ergue as orelhas, tal supõe-se faça o homem.

Engasga-gato – português – ensopado feito com pedaços de charque da manta da barrigueira.

Garupa – francês - A parte superior do corpo das cavalgaduras que se estende do lombo aos quartos traseiros; também usado para definir a mesma área no corpo humano.

Gaúcho – origem desconhecida – termo, inicialmente, utilizado de forma pejorativa para descrever a cruza ibero-indígena, hoje é o gentílico de quem nasce no estado do Rio Grande do Sul.

Gauchada – crioulo – grande número de gaúchos; façanha típica de gaúcho, cometimento, muito arriscado, proeza no serviço campeiro, ação nobre, impressionante.

Gauderiar – espanhol platino – vagabundear, andar errante, sem ocupação séria; haragano.

Gaudério – espanhol platino – vagabundo, desocupado, nômade. Atualmente, é uma referência estadual ao povo da campanha, simplesmente, como gaúcho.

Guaiaca – quíchua – invenção gauchesca que se usa sobre o “cinturão europeu”. Significa bolsa em sua língua original.

Guaipeca – tupi – cachorro pequeno e de raça ordinária (ou sem), cusco.

Guri – tupi – criança, menino; serviçais que faziam trabalho leve nas estâncias.

Haragano – espanhol – Nômade, renitente; cavalo que dificilmente se deixa agarrar.

Japiraca – tupi – mulher de temperamento irascível, insuportável.

Jururu – tupi – triste, cabisbaixo, pensativo.

Macanudo – indicado como sendo espanhol platino – bom, superior, poderoso, forte, inteligente, belo rico, respeitável; um adjetivo positivo de uso genérico.

Mate – quíchua – bebida preparada em um porongo, com erva-mate e água quente; chimarrão.

Minuano – indicado como sendo espanhol platino – vento andino, frio e seco, que sopra do sudoeste no inverno.

Morocha – espanhol platino – moça morena, mestiça, mulata; rapariga de campanha.

Nativismo – português – amor pelo chão onde se nasce e sua tradição.

Orelhano (aurelhano) – espanhol platino – animal sem marca nem sinal; também serve para pessoas.

Pago – espanhol/português – lugar onde se nasceu. Como o gaúcho original era um nativo descendente de imigrantes e não pretendia deixar seu solo em hipótese alguma, o termo também designa, genericamente, a região da Campanha.

Pampa – quíchua – vastas planícies do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina, coberta de excelentes pastagens que servem para criação de gado. Em quíchua, “pampa” significa “planície”.

Paisano – português/espanhol – patrício, amigo, camarada; camponês e não-militares.

Pêlo duro – espanhol – crioulo, genuinamente rio-grandense; também significa pessoa ou animal sem estirpe.

Poncho – origem incerta, araucano ou espanhol – espécie de capa de pano de lã de forma retangular, ovalada ou redonda, com uma abertura no centro, para a passagem da cabeça.

Puchero (putchero) – espanhol – sopão com muito vegetal e carne de peito, sem tutano e sem pirão. 

Querência – espanhol – o lugar onde se vive. Derivado de “querer”, caracteriza o amor que o gaúcho tem pela sua terra.

Tapejara – tupi – vaqueano, guia ou prático dos caminhos; gaúcho perito, conhecedor da região.

Tchê – provavelmente espanhol – termo vocativo pelo qual se tratam os gaúchos. É o mesmo “che” (‘txê’) do espanhol, que se consagrou com Ernesto Guevara, o “Che”.

Topete – português/espanhol – audácia, arrogância, atrevimento; saliência da erva-mate que fica fora d’água na cuia de chimarrão.

Tropeiro – português/espanhol – condutor de tropas, de gado.


Fontes: Felipe Simões Pires / Turma da Anita.

Nenhum comentário: