domingo, 20 de março de 2011

Zé Batuta e Batutinha

Zé Batuta e Batutinha - Dupla sertaneja formada por José da Silva Martins, o Zé Batuta (Ponte Nova MG 1930—) e João Leme Teixeira, o Batutinha (Conceição da Aparecida MG ?—Poços de Caldas MG 1994).

Desde jovem, Zé Batuta tocava violão e compunha modas-de-viola para divertir os amigos. Sua primeira composição gravada data de 1963, Gauchinho corajoso, interpretada por ele próprio e mais dois mineiros, Pedrão e Zé Campina, em disco da Continental. Mais tarde, Batutinha propôs que formassem uma dupla que, em 1966, gravou seu primeiro LP, Sua dupla é uma parada dura, pela Sabiá, subsidiária da Copacabana.

A faixa que dá nome ao disco foi composta por Zé Batuta e Rei do Mar. Além desse, estão incluidos no disco outros sucessos como A volta que o mundo dá (Zé Batuta e Lourival dos Santos), Tudo errado (Zé Batuta e Moacir dos Santos), Seis reis (Zé Batuta e Lourival dos Santos), A mulher e a pinga (Orlandinho e Teo Macedo) e Passado cruel (Martins Neto e Zé Batuta).

Além de com Lourival dos Santos e Moacir dos Santos, Zé Batuta compôs com Quintino Eliseu, inclusive sua música de maior sucesso, Abre a porta, Mariquinha, gravada por Zé do Rancho e Mariazinha.

Em 1975 Zé Batuta foi convidado pela cantora e folclorista Inezita Barroso para integrar um conjunto típico, estreando no Museu de Arte de São Paulo, quando tocou viola e cantou em dueto com ela.

Em 1976 gravou pela RGE o disco Zé Batuta deu zebra, com produção de Capitão Furtado e Zacarias Mourão, no qual se destacam as inéditas São Jorge, meu padroeiro (c/Lourival dos Santos), Macaco velho e Sina de cigarra (ambas em parceria com Capitão Furtado) e Derrota de caloteiro (c/Sebastião Pereira da Silva).

Em 1994 a dupla Sandy e Júnior regravou Abre a porta, Mariquinha (A resposta).

Afastado dos palcos por muito tempo, Zé Batuta retornou às gravadoras para interpretar a música de sua autoria Manhã do gato, em um CD misto patrocinado pelo Ministério da Cultura em 1997. Apesar de não gravar mais e de não se apresentar em shows e rádios, continou compondo para diversas duplas caipiras.

Entre outras suas composições destacaram-se Pagode quente, Linda donzela e Pagode da hora, gravadas em 1996 pela dupla João Mulato e Pardinho; Mulher e viola, gravada em 1996 por Liu e Léu. Ainda em 1996, compôs Roteiro do passado e Sem luta não tem vitória. Foi gravado pelas mais diversas duplas sertanejas, com destaque para Tião Carreiro e Pardinho, que lançaram os sucessos Vacilou virou petisco, Onça de paletó, Com Deus na frente, e A volta que o mundo dá.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora.

Nenhum comentário: