domingo, 16 de janeiro de 2011

Leandro e Leonardo


Leandro e Leonardo - Dupla sertaneja formada pelos irmãos Luís José Costa (Goianópolis GO 1961—São Paulo SP 1998), o Leandro, e Emival Eterno Costa (Goianópolis 1963—), o Leonardo.

Desde criança já cantavam juntos, enquanto trabalhavam na roça. Quem tomou a iniciativa de assumir a música foi Leandro, que começou a tocar em grupos de baile e em 1983 formou dupla com o irmão, tirando os nomes artísticos dos filhos de um amigo.

A dupla estreou profissionalmente na TV Tocantins, em Anápolis GO, concorrendo num festival de calouros cujo primeiro prêmio era a gravação de um LP no selo Rodeio da WEA (que nunca foi gravado).

Fazendo shows e campanhas políticas, a dupla juntou dinheiro suficiente para gravar em 1983 um disco independente, em São Paulo, pela Embrassom, que mesmo sem fazer sucesso abriu as portas para a gravadora 3M.

Gravaram dois LPs: em 1986, Leandro e Leonardo vol. 1, com destaque para Contradições, de Martinha e César Augusto; e em 1987, Leandro e Leonardo vol. 2, destacando Solidão, de Zezé di Camargo. 

Com o fechamento da 3M, em 1989, passaram para a Chantecler, na qual gravaram o LP Leandro e Leonardo vol. 3, com Entre tapas e beijos (Nilton Lamas e Antônio Bueno), que vendeu um milhão de cópias. 

O LP do ano seguinte, Leandro e Leonardo vol. 4, incluiu Pense em mim (Douglas Maio, Zé Ribeiro e Mário Soares) e vendeu 2,5 milhões de exemplares. Na seqüência vieram os volumes 5 (1991, com Paz na cama, de Edson Melo e Rhael), 6 (1992, com Não aprendi a dizer adeus, de Joel Marques), 7 (1993, com Mexe mexe, de Nazildo e Altair Menezes).

O vol. 8 (1994, com Dor de amor não tem jeito, de César Augusto e Piska), 9 (1995, com Eu juro, versão de Demian para a música Swear, de Frank J. Myers Baker), 10 (1996, com Doce mistério, de Nil Bernardes, Luís Schiavon e Marcelo Barbosa) e 11 (1997, com Anarriê, Essas mulheres e Cerveja). 

Leandro faleceu em São Paulo, em 23 de junho de 1998, vítima de câncer. 

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - São Paulo - 1998.

Nenhum comentário: