terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Duo Glacial


Duo Glacial - Dupla sertaneja formada pelos irmãos Miguel Cerván Vidal (Mirassol SP 1936—) e Ana Cerván Vidal (Mirassol 1940—).

Estrearam na Rádio Cultura de Araraquara SP em 1955 e, no ano seguinte, foram para São Paulo SP, onde durante três anos se dedicaram a atividades artísticas. Mais tarde foram convidados para atuar na Rádio Emissora de Piratininga, sob o nome de Irmãos Cerván, adotando em 1959 o de Duo Glacial.

Em São Paulo, atuaram também nas rádios Tupi, Nove de Julho e Nacional, apresentando-se também em circos. Ainda em 1959 o duo gravou o primeiro LP, na Copacabana, com várias composições de sucesso, como a faixa-titulo Reconciliação (Zé do Rancho e Ado Benatti), a guarânia Lembrança (Zé Fortuna), Canção do trolinho (Hervé Cordovil) e Guarânia da lua nova (Luís Vieira).

No ano seguinte, a dupla gravou o segundo LP, em que foi regravada Orgulho, entre outras músicas de sucesso, e em 1967 participou do I Festival de Música Sertaneja, promovido pela Rádio Nacional, de São Paulo, obtendo grande êxito com a premiada Poeira (toada de Serafim Colombo Gomes e Luis Bonan). No mesmo ano, o duo lançou o terceiro LP, pela Chantecler, em que a faixa-título é Poeira, também destacando-se os sucessos Destinos iguais (Capitão Furtado e Laureano), Por quê? (Zé Fortuna) e Retreta (Anésia M. Duarte e Sérgio M. Cruz).

Ainda em 1967 o duo gravou Amor distante, música do Capitão Furtado que deu título a seu novo LP e que foi grande sucesso ao lado da consagrada Meu trolinho (Francisco Lacerda e Ricarda Jardim).

Dois anos depois, lançou o quarto LP pela Chantecler, obtendo expressivo êxito com a moda-de- viola Lenço perdido (Alves de Lima), destacando-se ainda a guarânia Vai chorando, coração (Ana Marilda Pires e Brás Bacarin) e Biquinha de água limpa (Márcia Boter Martinez e Wilson Arrighi), estas últimas também apresentadas pelo duo no filme Sertão em festa (direção de Osvaldo de Oliveira).

Em 1974, Ana saiu da dupla e foi substituida por Mariazinha (Maria Vieira da Silva Rauru SP 1939—). O duo manteve o mesmo nome e gravou em 1975 Eterna lembrança; em 1976, Lágrimas de sangue, destaque para a música- titulo (Lourival dos Santos e Jorival dos Santos); em 1977, Encontrei quem eu queria, destaque para a música-título (Lourival dos Santos e Tião Carreiro) e O rancho grande (Zé Fortuna); e em 1979, Resto de vida, todos pela Continental.

A dupla continuou atuando e fazendo shows até 1983, quando Mariazinha saiu e Ana voltou. Lançaram então os LPs Duo Glacial, vols. 1, 2 e 3, pela Continental (1984, 1986 e 1989) e, em 1993, um LP com destaque para Longe de nós (Alexandre Jotha e Jotha Luís) e Poeira (Serafim Colombo e Luís Bonan).

Em 1995 regravaram várias músicas de destaque em um CD pela MM, como Diga que sim (Paulo Cerván e Carlinhos Rios). Em 1996 saiu o CD de regravações Poeira, pela Warner, destacando Lenço perdido (Alves Lima).

Em 1997, na Globo Gravações, gravaram o CD Camisa branca, destacando a regravação de O estudante e o lixeiro (Manuel Moreno e Miguel Vidal). No mesmo ano, o duo participou de um CD misto, Espora batida, em que canta duas músicas, destacando-se a inédita Bancária dos olhos lindos (Miltinho Rodrigues).

Em dezembro de 2006, foram atração na festa comemorativa do centenário do compositor Raul Torres, realizada pela prefeitura de Botucatu, SP.

Em 2007, apresentaram-se, entre outros ícones da musica sertaneja tradicional, na edição-homenagem a Raul Torres, do programa Viola, minha viola, apresentado na TV Cultura de São Paulo, pela cantora e pesquisadora Inezita Barroso. Na ocasião, interpretaram Perto do coração, de Raul Torres e João Pacífico e Cabocla Teresa, da mesma dupla.

Nenhum comentário: