domingo, 26 de setembro de 2010

Campeiro do Rio Grande

Os Monarcas

Intro.: Em Bm F#7 B7 Em Bm F#7 Bm 
 
Noite fechada de estrelas, 
um manto azulado ao fundo 
                                    G       F#7 
Parece encilhos celestes, no manto santo do mundo 
 
Uma saracura grita, ali na costa do mato 
                                           Bm   B7 
Perto de uma cruz atada, com lenço de maragato 
 
                   Em              A7            D 
Na peiteira do tordilho, brilha a luz de um pirilampo 
   Bm             F#7                    Bm   B7 
Parecem flores de luz, desabrochando no campo 
                      Em          A7          D 
Os grilos vão milongueando, junto ao ipê veterano 
      Bm              F#7                       Bm 
Que guarda ninho e gorjeios, na memória dos minuanos 
 
                          Em 
(Sou um campeiro do Rio Grande 
A7            D             F#7 Bm 
Acordo ao cantar dos galos 
                      F#7         Bis 
E por onde quer que eu ande 
                    Bm 
Ando sempre de à cavalo) 
Int. 
 
Manoteando o céu da sanga, o pingo escarcelha e rincha 
                                   G         F#7 
E um luzeiro de cristais, escorre na água da cincha 
 
A Dalva acorda o tropeiro, um boi se baba mugindo 
                                              Bm   B7 
Saltando um fio luminoso, desfiando prateireirismo 
 
               Em         A7              D 
Uma cordeona gaúcha, num céu campeiro de luz 
      Bm              F#7                         Bm   B7 
E eu vejo Deus de a cavalo, nessas querências do sul 
                    Em      A7              D 
No fogo a cambona chia, mateando faço uma prece 
      Bm              F#7                        Bm 
Mil graças velho Rio Grande, por tudo quanto me destes