quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Rolando Boldrin



Rolando Boldrin, compositor, cantor, ator e instrumentista, nasceu em São Joaquim da Barra, SP, em 22/10/1936. Aos sete anos, já tocava viola e, aos 12, formando com um irmão a dupla Boy e Formiga, fazia sucesso no rádio de sua cidade.

Incentivado pelo pai, resolveu tentar a sorte em São Paulo, onde trabalhou como sapateiro, frentista, carregador e garçom, antes de se firmar como artista.

Estreou na carreira musical nos anos de 1960, participando de um disco da cantora Lurdinha Pereira, que logo se tornou sua esposa e produtora de seus discos.

Foi pioneiro na realização de programas de televisão dedicados à música brasileira autêntica, de inspiração regional, diferenciada da música sertaneja de consumo: Som Brasil (TV Globo), Empório Brasil (TV Bandeirantes) e Empório Brasileiro (SBT).

Seu repertório de canções caipiras reúne cateretês, toadas e modas, compondo cuidadosa seleção do que há de melhor na música brasileira de enfoque rural.

Sua discografia: O cantadô, 1974; Êta mundo, 1976; Longe de casa, 1978; Rio abaixo, 1979; Rolando Boldrin, 1979; Giro-o-Giro, 1980; Inventando moda, 1980; Caipira, 1981; Poemas do Som Brasil, 1982; Violeiro, 1982 (em dupla com Ranchinho, Cascatinha, Corumbá e outros); Empório Brasileiro, 1984; Clássicos do poema caipira, 1985; Resposta do Jeca Tatu, 1989; Terno de missa, 1989; Empório Brasil, 1990; Perto de casa, 1991; Disco da moda, 1993.

Sintetizou a experiência profissional na realização de “teatros musicados”, espetáculos em que seu personagem se transforma em ator, cantador, poeta, intérprete e contador de “causos”: Palavrão, show com a Banda de Pau e Corda (1974), Teatro de quintal (1975), Paia... assada (1987) e Brasíl em preto e branco (1993 e 1994) foram consagrados pelo público e pela crítica.

No rádio, criou o programa Violas de Repente, apresentado na Rádio Jornal de São Paulo (1980 e 1981) e na Rádio Globo (1982). Destacou-se também no cinema, premiado pela APCA por sua participação no filme Doramundo (1978), de João Batista de Andrade.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e PubliFolha.