quinta-feira, 13 de junho de 2013

Duo Irmãs Celeste

Duo Irmãs Celeste - Dupla formada pelas cantoras Diva Araújo (Sacramento, MG) e Geisa Araújo (Sacramento, MG). Diva, ainda criança, começou a se apresentar na Rádio PR - 5 de Uberaba, para onde a família havia se mudado. Mais tarde, mudando-se para São Paulo, Diva começou a cantar na Rádio Nacional no programa do Dr. José Rosa.

Resolveu formar dupla com a irmã Geisa. Dotadas de vozes afinadas, as irmãs agradaram imediatamente e foram convidadas por Blota Jr, para atuar na Rádio Record. Como eram muito bonitas, ficaram conhecidas como "As bonecas que cantam". Conheceram o acordeonista Mário Zan que passou a empresariá-las.

Em 1957 gravaram o primeiro disco, interpretando a valsa Cantando, de Mário Zan e Arlindo Pinto, e o rasqueado O trem apitou, de Mário Zan e Arlindo Pinto. Passaram a fazer apresentações pelo Brasil.

Em 1958, gravaram a valsa Calendário da vida, de Mário Zan e Nonô Basílio e o rasqueado Nova flor, de Palmeira e Mário Zan, que alcançaria grande sucesso, sendo gravada posteriormente por diversos outros intérpretes, inclusive no exterior. Gravaram também Beijinho doce, de Nhô Pai e Roceira, do Capitão Furtado.

A dupla seguiu se apresentando ao longo de seis anos, gravando ainda oito LPs, em seguida, se desfez. Geisa casou-se com Mário Zan e seguiu a carreira solo, tendo apresentado-se na Alemanha. Depois que se separou do acordeonista, acabou por abandonar a vida artística.

Diva permanece na carreira sendo contratada pela Rádio São Paulo onde se apresentou como cantora e radioatriz. Atuou também na TV Record. Participou na TV Tupi das novelas O punhal de prata, A fábrica e O hospital. Participou ainda da revista No país dos bilhetinhos e foi crooner de boates.

Em 1996 o duo teve a música Cantando, de Mário Zan e Arlindo Pinto regravada no CD Meio século de música sertaneja, pela BMG.

Obra

Implorando teu carinho (Geisa Araújo e Zito Vieira)

Discografia

([S/D]) Só resta a dor/Pressentimento • Continental • 78
([S/D]) Aquela fotografia/Até morrer • Continental • 78
([S/D]) Sempre te quero/Implorando teu carinho • Continental • 78
(1962) Vida cruel/Vai saudade • RGE • 78
(1962) Meu querido/Junto de ti • RGE • 78
(1962) Quem diria/Você no meu pensamento • Sertanejo • 78
(1961) Restaurante do papai/Volta, meu bem • Sertanejo • 78
(1961) "Ta" de mal comigo/Somos três • Chantecler • 78
(1961) Lencinho verde/Junto a mim • Chantecler • 78
(1960) Minha sombra é você/Manakiriki • Sertanejo • 78
(1960) Escrava do amor/Só você • Chantecler • 78
(1959) Longe de ti/Tem pena, moreno • Chantecler • 78
(1959) Bambolê/Linda forasteira • Chantecler • 78
(1959) Desilusão/Somente Deus • Chantecler • 78
(1959) Meu primeiro beijo/Arrasta a jangada • Sertanejo • 78
(1958) Nova flor/Calendário da vida • Chantecler • 78
(1958) Alvorada tupi/Vovó caduca • RCA Victor • 78
(1957) Cantando/O trem apitou • RCA Victor • 78

__________________________________________________
Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB.
Leia mais...

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Zé Mulato e Cassiano


Zé Mulato (José das Dores Fernandes), nascido em 12/08/1949, e Cassiano (João Monteiro da Costa Neto), de 19/04/1955, naturais de Patos de Minas-MG, formam nos dias de hoje a mais autêntica dupla caipira brasileira.

Combinando, o romantismo da dupla Zé Carreiro e Carreirinho, o modo de tocar a viola que nos faz lembrar " Tião Carreiro e Pardinho" e também o bom humor que nos faz lembrar das inesquecíveis sátiras das saudosas duplas Alvarenga e Ranchinho e Jararaca e Ratinho, "Zé Mulato e Cassiano" formam o que conhecemos como a "Dupla Três em Um".

Zé Mulato e Cassiano Cantores e compositores, tiveram as primeiras lições de música com o pai, que tocava cavaquinho e cantava. Zé Mulato aprendeu os primeiros passos na viola com o andarilho Raimundo Roda, que estava de passagem por sua cidade.

 Em 1969, formaram a dupla e mudaram-se para Brasília a fim de tentar a carreira artística. Em 1978, gravaram o primeiro disco pela gravadora Chororó. Em seguida, gravaram mais quatro discos. Participaram, também, de inúmeras coletâneas, entre elas, uma homenagem ao Capitão Furtado, onde cantaram ao lado de Sivuca, Rolando Boldrin, Roberto Corrêa e outros. Muitas de suas composições foram gravadas por diversos violeiros em vários estados do Brasil. O cantor Eduardo Dusek gravou "Soraia".

Adeptos da música sertaneja de raiz, ficaram dez anos sem gravar, desencantados com o rumo da música sertaneja, embora continuassem a cantar e a se apresentar em qualquer lugar onde houvesse respeito e admiração pela música de raiz.

Retornaram às gravações, em 1988, pelas mãos da dupla Pena Branca e Xavantinho, que os levou ao compositor Vitor Martins da gravadora Velas. No mesmo ano, gravaram o CD "Meu céu", com direção musical de Roberto Corrêa. Receberam por este CD o Prêmio Sharp de melhor CD de música regional daquele ano.

Em 1999, com produção de Roberto Corrêa, gravaram o CD "Navegantes das Gerais", registrado com os músicos tocando ao vivo, como se estivessem num palco. Interpretaram toadas, modas de viola, batuque, valseado, cururu, queruma, xote e pagode-de-viola.

Destacam-se as composições "Boca da noite", "Chão mineiro", "Meu deserto", "Remoendo solidão", "Diário de caipira" e a faixa título "Navegante das Gerais", em que fazem uma verdadeira profissão de fé ao afirmarem "Se me chamam caipira, fico até agradecido, pois chamando sertanejo, eu posso ser confundido".

Algumas obras

A face da moeda (Zé Mulato e Cassiano) • A vantagem da pobreza (Zé Mulato e Cassiano) • Boca da noite (Zé Mulato e Cassiano) • Chão mineiro (Zé Mulato e Cassiano) • Cinqüentão (Zé Mulato) • Diário do caipira (Zé Mulato) • Lágrima (Zé Mulato e Cassiano) • Melhor sozinho (Zé Mulato) • Meu deserto (Zé Mulato e Cassiano) • Navegante das Gerais (Zé Mulato e Cassiano) • Remoendo solidão (Zé Mulato) • Revolta (Zé Mulato e Cassiano) • Saudação (Zé Mulato e Cassiano) • Soraia (Zé Mulato e Cassiano) • Tarde no sertão (Daniel Fernandes e Zé Mulato).

 Fontes: Revivendo Músicas; Programa Umaitá: Zé Mulato e Cassiano - A dupla três em um.
Leia mais...

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Riellinho

Riellinho (Osvaldo Rielli), compositor e instrumentista, nasceu em São Paulo, SP, em 18/5/1917. Filho de José Rielli e irmão do maestro Emílio Rielli, desde menino estudou música e piano com o pai e depois com o irmão, aperfeiçoando-se em conservatório.

Aos 12 anos já se apresentava como acordeonista, pianista e organista na Congregação Mariana do Pari, em São Paulo. Iniciou-se como profissional em 1935, na Rádio Educadora Paulista, participando de seu conjunto regional e também da Orquestra Típica del Plata, tocando bandônio.

Em 1937 foi bandonista da Orquestra Típica Rielli, na Rádio Piratininga, e no ano seguinte na Rádio Cruzeiro do Sul, ao lado do pai, formando um dueto de acordeão. Passou depois a atuar na Rádio Tupi, no programa de Genésio Arruda. Na Rádio Bandeirantes, em 1939, foi contratado para apresentar o programa sertanejo Brasil Caboclo, ao lado de Capitão Barduíno, entre outros.

Estreou em disco na Columbia, em 1943, com o rasqueado "Mato Grosso" (com Nhô Pai) e a valsa "Ruth" (José Gueli). Em 1945 gravou na Continental o choro "Papagaio no galinheiro", a valsa "Andorinhas de Campinas" e "Araponga" (todas de sua autoria).

Na Victor, gravou, em 1946, como solista, a valsa "Sob o luar do Rio de Janeiro" (de sua autoria) e a rancheira "Casamento da Rosinha" (com Raul Torres). Excursionou com Nhô Pai, Nhô Fio e Rondinelli pelo interior de São Paulo e Mato Grosso, fazendo sucesso com o rasqueado "Casinha de carandá" (com as Irmãs Correia), "Araponga" e a polca "Cidade morena" (com Nhô Pai). Fez parte do quarteto sertanejo das Emissoras Associadas, de São Paulo, juntamente com Nhô Pai, Laureano e Mariano. Na Rádio Cruzeiro do Sul, formou o Trio Sertanejo, com Serrinha e Mariano, sendo este último mais tarde substituído por Caboclinho.

Em 1954, Caboclinho e Serrinha gravaram na Continental o tango brejeiro "Abandonado" (com Serrinha). Com a morte de Caboclinho, Zé do Rancho entrou em seu lugar, e o trio passou para a Rádio Tupi, atuando na novela sertaneja "Rosinha do sertão". Aposentando-se Serrinha, entrou para o trio Mariazinha Vieira. O novo trio gravou vários sucessos como: a toada "Meu cantinho de amor" (com Zé do Rancho) e a moda gaúcha "Querência querida" (com Mariazinha).

Em 1956 participou no filme "O sobrado", de Walter George Durst e Cassiano Gabus Mendes.

Tem inúmeras composições gravadas, entre as quais: "Tempo de infância", valsa (1949), gravada por Mariano e Cobrinha, na Continental; "Macaco na brasa", chorinho (1951), gravado por ele na Continental; "Flor serrana", rancheira, de parceria com Juvenal Fernandes; "Larga a brasa", arrasta-pé; "Lindóia querida", marcha-rancho, de parceria com Bernardino Pereira Filho.

Viajou pela Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e Argentina, onde atuou no Tabaris, ao lado de grandes bandonistas. Atuou também em emissoras de rádio na Bolívia e Paraguai. Foi diretor da academia de acordeão Riellinho Studius, em São Paulo. Abandonou a carreira musical em 1985.

Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo, Art Ed., 1977. 3p; Revivendo Músicas. 
Leia mais...

sábado, 11 de agosto de 2012

Caetano Erba

Caetano Erba (José Caetano Erba), compositor, nasceu em 11/09/1937 em Pederneiras, interior do Estado de São Paulo, e faleceu em 11/07/2009 em São Paulo. Junto com seus pais, trabalhou nas lavouras de café até os 18 anos de idade.

Desde os 11 anos já escrevia seus primeiros versos, influenciado que foi pela convivência com as freqüentes festas da roça, catiras e bailes de terreiros onde ouvia a música de violeiros, sanfoneiros e cantadores da região e adjacências que por lá se apresentavam.

Em 1958, formou-se em Contabilidade e dois anos depois foi trabalhar no extinto “Banco de São Paulo S.A”, ocasião na qual se mudou para a capital paulista, onde ocupou o cargo de bancário até 1976.

Em São Paulo, conheceu João Salvador Perez, o Tonico, através de Craveiro e Cravinho, que foi, inclusive a dupla que gravou em 1968 a primeira composição de Caetano Erba, "Pai da Aviação". Participou também de diversos festivais sertanejos, tendo obtido o segundo lugar nos de Santa Izabel e também no da inauguração do Parque Ecológico, em São Paulo. Tirou o primeiro lugar nos concursos de Garça e Jacareí.

Em 1972, recebeu o título de "Cidadão Pederneirense". Participou de diversos programas de rádio na capital paulista e também foi jurado em diversos festivais, em cidades como Santo André, Jacareí e Guarulhos. Também foi José Caetano Erba que escreveu o prefácio do livro "Da Beira da Tuia ao Teatro Municipal", escrito por Tonico e Tinoco.

Diversos intérpretes gravaram e continuam gravando suas composições, entre os quais, Craveiro e Cravinho, Tonico e Tinoco, Ramiro Vióla e Pardini, Liu e Léu, Vieira e Vieirinha, Cacique e Pajé, Mococa e Paraíso, Pena Branca e Xavantinho, Tião do Carro e Jackson Antunes”, entre outros.

Continuou compondo, com bastante Inspiração, até o final de sua vida; e possui centenas de poemas até então inéditos. As músicas "Mala Amarela" (José Caetano Erba e Paraíso), "Saco de Ouro" (Paraíso e Caetano Erba) e "Mãe de Carvão" (Tião do Carro e Caetano Erba), eram, nessa ordem, suas três composições preferidas, segundo seu próprio depoimento.

José Caetano Erba faleceu no dia 11 de julho de 2009, vítima de uma doença degenerativa contra a qual esse grande poeta vinha lutando há mais de dois anos.

Obras

- Abelha (José Caetano Erba e Pirajá)
- A Formiguinha (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- A Freira (José Caetano Erba e Francisco de Assis)
- A Grande Volta (Tupy e José Caetano Erba)
- A Loira do Bar (José Caetano Erba e Paraíso)
- Altar do Mundo (Paraíso e José Caetano Erba)
- Amar Você (Tião do Carro e Caetano Erba)
- A Mudança (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Ano 2000 (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Aquele Homem (José Caetano Erba, Rodrigo Mattos e Garutti)
- Asilo (José Caetano Erba, Rodrigo Mattos e Cuiabá)
- Ave Noturna (José Caetano Erba e Tião Carreiro)
- A Viola no Teatro (Tonico e José Caetano Erba)
- A Visão de um Preto Velho (Caetano Erba e Paraíso)
- A Volta (José Caetano Erba e Vileno)
- A Volta do Filho (Tião do Carro e Caetano Erba)
- A Volta do Filho Pobre (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Bendito Seja o Mobral (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- Berço de Espinhos (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Blusão de Couro (José Caetano Erba e Paraíso)
- Boiadeiro (José Caetano Erba e Cézar)
- Bolha de Sabão (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Brasil 500 Anos (Cacique, Pajé e Caetano Erba)
- Cabritinha de Ouro (Caetano Erba, Da Costa e Cacique)
- Cadeira de Balanço (Caetano Erba e Paraíso)
- Cama de Areia (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Campo de Batalha (Caetano Erba e Cacique)
- Canção da Estrada (José Caetano Erba e Paraíso)
- Capiau (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Caquinho de Saudade (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Carta de Caboclo (José Caetano Erba)
- Casa de Chão (Paraíso e Caetano Erba)
- Casa de Infância (Caetano Erba, Luciano e Cacique)
- Casa de Sítio (José Caetano Erba)
- Cavalo Cego (José Caetano Erba)
- Cento e Quatorze Capelas (José Caetano Erba)
- Chapéu de Palha (Caetano Erba e Toni Gomide)
- Cobra Enrolada (Caetano Erba e Cacique)
- Comitiva de Saudade (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Consulte Sempre um Caipira (Cacique, Caetano Erba e Da Costa)
- Coração Caipira (Caetano Erba e Rio Pardo)
- Cortina Dourada (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Descaminho (José Caetano Erba e Francisco de Assis C. Oliveira)
- Desencontro (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Deus da Natureza (Caetano Erba e João Henrique)
- Dois Astros (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Dose Certa (Caetano Erba e Tião do Carro)
- Dr. Coração (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Dr. da Agricultura (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- Dr. Palhaço (José Caetano Erba)
- Duelo Sem Espada (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Estradinha de Terra (José Caetano Erba)
- Eta Baita Bicho Bão (Tonico, José Caetano Erba e Benjamim)
- Exemplo de Cão (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Favela (José Caetano Erba e Paraíso)
- Fazenda Barra Mansa (José Caetano Erba)
- Fazenda do Braga (Caetano Erba, Cacique e Russo)
- Feliz Ano Novo (José Caetano Erba)
- Ferro à Brasa (José Caetano Erba e Paraíso)
- Festa de Fim de Ano (José Caetano Erba e Zé Matão)
- Festa de Sítio (José Caetano Erba)
- Figura do Velho (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Filhote de Onça (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Filme na Roça (Caetano Erba e Paraíso)
- Fim da Colheita (José Caetano Erba)
- Fogueira (José Caetano Erba e Zé Matão)
- Francisco de Assis (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Garganta do Mundo (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Gaveta Velha (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Graça Divina (José Caetano Erba, Rodrigo Mattos e Barbosa)
- Guerra de Amor (José Caetano Erba e João Carvalho)
- Guerra de Trinta Segundos (Vicente P. Machado e José Caetano Erba)
- Hino da Criança (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- Hino Sertanejo (Tonico e José Caetano Erba)
- Homem Triste (Paraíso, José Caetano Erba e Craveiro)
- Igreja de Pedra (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Jardineira Amarela (Caetano Erba e Tião do Carro)
- Jaula do Mundo (Paraíso, José Caetano Erba e Cézar)
- Jeito de Amar (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- João Feio (José Caetano Erba)
- João Roceiro (José Caetano Erba)
- Joãozinho da Favela (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Juca dos Treze (Craveiro e José Caetano Erba)
- Lavoura da Paixão (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Lembrança da Roça (José Caetano Erba)
- Lembrança da Roça (José Caetano Erba e João Pinheiro)
- Lembrança do Carreiro (José Caetano Erba e Ramiro Vióla)
- Lembranças do Meu Pai (José Caetano Erba e Mazinho Quevedo)
- Língua do Povo (Paraíso e José Caetano Erba)
- Livro de Areia (José Caetano Erba e Gentil de Lima)
- Lobo, Fogo e Ventania (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Luva de Amor (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Madalena (José Caetano Erba)
- Mãe Branca (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Mãe de Carvão (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Mãe Doce Nome (José Caetano Erba)
- Mãe Querida (José Caetano Erba e Brazandinho)
- Mala Amarela (José Caetano Erba e Paraíso)
- Mala de Ouro (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Mansão dos Coqueiros (José Caetano Erba)
- Marcas Profundas (José Caetano Erba e Brazando)
- Maria e José (José Caetano Erba e Lourival dos Santos)
- Menino de Rua (José Caetano Erba)
- Mensagem do Trovador (Tonico, José Caetano Erba e Raimundo Prates)
- Meu Bolerão (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Meu Cachorro Fiel (Tonico, Tinoco e Caetano Erba)
- Meu Pai (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Meu Retrato (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Mina de Areia Branca (José Caetano Erba)
- Minha Vida (José Caetano Erba)
- Miragem das Flores (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Moça Canavieira (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Moto Vermelha (Cézar e José Caetano Erba)
- Mundo da Lua (José Caetano Erba e Paraíso)
- Mundo Moderno (J.dos Santos e José Caetano Erba)
- Museu do Meu Sertão (Tonico, Jota dos Santos e José Caetano Erba)
- Narrando a Saudade (José Caetano Erba e Paraíso)
- Natal da Roça (José Caetano Erba)
- Natal no Sertão (Tonico e Caetano Erba)
- Nico Pejo (José Caetano Erba)
- Ninho de Andorinha (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Ninho de Veludo (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- No Caminho do Pai (José Caetano Erba e Vileno)
- Nóis é do Mato Mais Nóis Conhece (Cézar e José Caetano Erba)
- Nossa Senhora (José Caetano Erba)
- O Bom Pastor (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- O Cachorro e o Andarilho (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- O Choro da Goteira (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- O Diploma e o Chapéu (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- O Escravo (Caetano Erba e Paraíso)
- O Homem de Sorte (Caetano Erba, José Luís e Cacique)
- O Lixeiro e o Doutor (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- O Peão e a Flôr (Paraíso e José Caetano Erba)
- O Pintor (Tião do Carro e Caetano Erba)
- O Prisioneiro e a Formiga (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- O Repórter Andarilho (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- O Retirante (José Caetano Erba e Morgado)
- Ouro 18 (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- O Trouxa e a Fera (José Caetano Erba e Pajé)
- Pai do Mundo (Oração) - (José Caetano Erba)
- Pai Roceiro (José Caetano Erba)
- Parede em Pé (Caetano Erba e Parentinho)
- Patriota (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Patrono do Infinito (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Peão Zé Ribeiro (José Caetano Erba, Cacique e Luiz Mariano)
- Pecado de Amor (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Pedaço de Vida (Caetano Erba e Tião do Carro)
- Pedra (José Caetano Erba)
- Pedra do Tempo (Criolo, José Caetano Erba e Da Silva)
- Pedra Ferro (José Caetano Erba e Zé Matão)
- Peões Veteranos (José Caetano Erba e Cacique)
- Peroba da Colina (José Caetano Erba)
- Placa de Cimento (José Caetano Erba)
- Poeta do Serrado (Geraldo Correia, José Caetano Erba e Cacique)
- Presente Especial (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Primeiro Brinquedo (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Procissão de Gado (Caetano Erba, Xavantinho e Tião do Carro)
- Professor Galdino Chagas (José Caetano Erba e Cacique)
- Punhado de Amor (Cacique, Caetano Erba e Wilson Balsaneli)
- Puro Caboclo (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Quadro Gigante (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Quarto Azulado (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Reinado Perdido (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Recado de Carreiro (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Retrato do Meu Sítio - (José Caetano Erba)
- Roda de Carro (José Caetano Erba e Brazando)
- Roldão Bueno (Cacique, José Caetano Erba e Alexandre)
- Rosa Branca (José Caetano Erba)
- Rosto de Deus (José Caetano Erba e Tião do Carro)
- Saco de Ouro (Paraíso e Caetano Erba)
- Sala dos Milagres (José Caetano Erba, Rodrigo Mattos e Gina)
- Santa Mãezinha (José Caetano Erba e Zé Matão)
- São Benedito (José Caetano Erba)
- São Francisco de Assis (José Caetano Erba)
- São Paulo Antigo (Cacique e José Caetano Erba)
- Sapato 42 (Caetano Erba e Paraíso)
- Sebastião Gomes (Cacique, José Caetano Erba e Fernando Gaspar)
- Sem Terra e Sem Caminho (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Sombra de um Preto Velho (José Caetano Erba)
- Sonho de um Negro (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Só Pode Ter Sido Deus (José Caetano Erba e Zezito)
- Sul de Minas Gerais (José Caetano Erba e Josiene)
- Tá Faltando Alguém (Cézar, Caetano Erba e Oswaldo Galhardi)
- Teia de Aranha (Caetano Erba, Seresteiro e Zulmar Neves)
- Tordilho (José Caetano Erba)
- Trancos da Vida (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- Transamazônica (Tonico e José Caetano Erba)
- Trem de Ferro (Caetano Erba, Toni Gomide e Brigadeiro)
- Tributo ao Tonico (José Caetano Erba)
- Trilhas da Vida (José Caetano Erba e João Pinheiro)
- 34 Anos (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- 33 Anos (Tonico e José Caetano Erba)
- Triste Madrugada (José Caetano Erba e Gentil de Lima)
- Tulha Velha (Caetano Erba e Paraíso)
- Um Peso, Duas Medidas (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Vaca Maiada (José Caetano Erba, Cacique e Nil)
- Varanda da Vida (José Caetano Erba)
- Velho Arado (José Caetano Erba, Cacique e Russo)
- Velho Comandante (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Velho Coxo (Caetano Erba e Evan Souza)
- Velhos Retratos (José Caetano Erba e Rodrigo Mattos)
- Vento na Farinha (Tião do Carro e José Caetano Erba)
- Viola Pura (José Caetano Erba e Paraíso)
- Viola Rainha (Santo Marassatti, Tupi e José Caetano Erba)
- Vovô Coruja (Tonico, Tinoco e José Caetano Erba)
- Zé Pedreiro (Tião do Carro e Caetano Erba)
- Zé Roça (José Caetano Erba)
- Zico das Flores (José Caetano Erba)

Fonte: Recanto Caipira (www.recantocaipira.com.br)
Leia mais...

sábado, 12 de maio de 2012

Badias Medeiros

Aos 71 anos, Badias Medeiros não é chamado de mestre à toa. Cantor, compositor, violeiro, dançarino e guia de festejos populares (aquele que conduz os eventos e guarda seus costumes), como Folia do Divino, de Reis e de São Sebastião, Seu Badia é um autêntico personagem do interior do Brasil, dono de conhecimentos e saberes que não se aprendem nos livros, nas vivências e tradições passadas de pai para filho.

Mineiro de Unaí, radicado em Formosa (GO) há 19 anos, casado com Cesárea Gonçalves de Andrade há 47, mestre Badia, até o ano passado, ainda trabalhava na roça. Hoje, está aposentado e divide seu tempo entre as aulas de viola (não faltam alunos, ele garante) e as apresentações musicais.

Ele esteve mais uma vez em Brasília, recentemente, quando participou do Festival Brasília de Cultura Popular — evento realizado entre 7 e 9 de outubro. Na ocasião, se apresentou em dupla, acompanhado do parceiro Valdemar de Brito Vanderlei, o Nego de Brito. Os dois acabaram de gravar um CD e esperam o momento oportuno para lançá-lo.

O violeiro, compositor e pesquisador brasiliense Roberto Corrêa conheceu Seu Badia em 1997 e foi responsável por apresentá-lo a um publico maior. “Pessoas como o Badia trazem o Brasil para dentro de si”, comenta Corrêa. “Eu fiquei encantado com o talento dele como compositor, cantor, violeiro e dançarino de ludu. Na primeira oportunidade,  convidei-o para tocar comigo”, continua.

A parceria entre Corrêa, o também violeiro Paulo Freire e Badia rendeu uma série de shows e o CD Esbrangente, de 2002. Dois anos depois, Badia lançou o primeiro disco solo, Badia Medeiros — Um mestre do sertão. Em sua discografia, também contam participações em coletâneas dedicadas a música caipira.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, Seu Badia comenta a relação com a viola, os primeiros contatos com o instrumento, influências e a manutenção das tradições populares.

Fonte: Correio Braziliense, de 16/10/2011.
Leia mais...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ademar Silva

Ademar Silva (Ademar Marques Rataiesky), cantor, instrumentista e compositor, nasceu em São Lourenço do Sul-RS, em 15 de novembro de 1943. Quando adolescente já tocava harmônica, tirando solos de seu compositor preferido Pedro Raimundo. Tocou com Teixeirinha no Rio Grande, Uruguai e Argentina.

Em 1961 gravou pela Philips Gaúcho forasteiro, de sua autoria e Leopoldo e Oito de maio, parceria com Pinheiro. No ano seguinte, lançou pela mesma gravadora, O amor que eu sonhei e Homenagem ao papai, parcerias com Leopoldo. Em 1963 gravou pela RCA as toadas Leva eu (Sodade), de Tito Neto e Alventino Cavalcânti e "Chuva do bem", de Demóstenez Gonzales.

Em 1968, lançou Rei dos pampas, composição de Raul Torres. Gravou também Vida triste, de Piraci e Lourival dos Santos. Apresentou-se em emissoras de rádio e de TV, circos, boates e teatros de diversos estados do Brasil.

Em 1975, gravou um LP pela Tropicana. Destacaram-se naquele LP, Saudades de Porto Alegre, de Roberto Stanganelli e Paraguassu, Felicidade, de Lupicínio Rodrigues, Velhas cartas, de Tonico, Tinoco e Zé Paioça e Sortes iguais, de sua autoria.

Entre 1975 e 1982, gravou quatro LPs pela Chantecler. Gravou, ainda, diversos discos pelas gravadoras PolyGram, Continental e Solo Livre.

Obras

Gaúcho forasteiro (Ademar Silva / Leopoldo), Homenagem ao papai (Ademar Silva / Leopoldo), O amor que eu sonhei (Ademar Silva / Leopoldo), Oito de maio (Ademar Silva / Pinheiro), Sortes iguais.

Discografia

Ademar Silva (1960) Phillips LP
Gaúcho forasteiro / Oito de maio (1961) Philips 78
O amor que eu sonhei / Homenagem ao papai (1962) Philips 78
Leva eu, sodade / Chuva do bem (1963) RCA Candem 78
Saudade da querência [S/D] Alvorada LP
Ademar Silva (1968) Chantecler LP
Ademar silva (1975) Tropicana LP
Ademar Silva (1976) Chantecler LP
Ademar Silva (1977) Chantecler LP
Ademar Silva (1981) Disco Tiaraju LP
Ademar Silva (1982) Chantecler LP
Ademar Silva (1983) PolyGram LP
Ademar Silva (1984) PolyGram LP
Ademar Silva (1985) PolyGram LP
Ademar Silva (1986) Continental LP
Ademar Silva (1990) Discoteca Gravações LP
Ademar Silva (1995) Solo Livre LP
Ademar Silva (1996) USA Discos LP

Fontes: http://www.musicapopular.org/ademar-silva; Dicionário Cravo Albin da MPB.
Leia mais...

Adauto Santos

Adauto Santos (Adauto Antonio dos Santos), cantor, compositor, violonista e violeiro, nasceu em Bernardino de Campos, SP em 22/04/1940, e faleceu em São Paulo, SP, em 22/02/1999.

Teve suas primeiras composições gravadas em 1963 pelo grupo Os Amantes do Luar, que interpretou o bolero Não me esquecerei de ti e o rasqueado Deita em meus braços. Em seu trabalho, procurou fazer uma ponte entre o gênero MPB e a música rural. Foi responsável nos anos 1960 por levar a viola para os bares paulistas.

 Durante muitos anos apresentou-se no Jogral, famoso bar paulistano onde tocava viola. Em suas apresentações, mostrava um repertório eclético, misturando obras de compositores como João Pacífico, Milton Nascimento, Mário Lago e Rolando Boldrin, além de suas próprias composições. Entre seus parceiros esteve o lendário João Pacífico, com o qual compôs, entre outras, Vontade de voltar e Homenagem da montanha.

Em 1980, participou da trilha sonora do filme Cabocla Tereza. Em 1992, compôs e interpretou Juca também com João Pacífico. Seu maior sucesso foi a toada Triste berrante, também gravada pela dupla Pena Branca e Xavantinho.

Em 1997, lançou o CD Tocador de vida e viola, indicado para o Prêmio Sharp de música regional daquele ano. Neste trabalho destacam-se as composições "Triste berrante", "Vide vida marvada" e "Chuá chuá". Em 2002 teve a composição "Triste berrante" gravada pelas Irmãs Galvão em CD lançado pela Chantecler.

Adauto Faleceu com 58 anos no dia 22/02/1999, na cidade de São Paulo. No dia anterior à sua morte, ele deixou gravada uma participação na composição Rosa (Pixinguinha), que faz parte do CD Mulheres em Pixinguinha, lançado pela gravadora do CPC-Umes.

Fonte: http://www.lucianoqueiroz.com
Leia mais...